Brown convoca cúpula internacional para discutir terrorismo no Iêmen

Londres, 1 jan (EFE).- O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, convocou hoje uma cúpula global para tratar da radicalização islamita no Iêmen, por conta do atentado fracassado em um avião com destino aos EUA, feito por um nigeriano que supostamente tinha estado nesse país.

EFE |

A conferência, que conta com o apoio de Washington e da União Europeia (UE), acontece no dia 28 de janeiro, em Londres, em paralelo à reunião que acontece no mesmo dia sobre o conflito no Afeganistão.

O primeiro-ministro do Reino Unido disse em seu site que, entre outros países-chave, quer que compareçam à reunião os representantes de Arábia Saudita e Emirados Árabes.

"Disse anteriormente que o Iêmen - por ser tanto incubadora como refúgio do terrorismo - representa uma ameaça regional e global. A comunidade internacional não pode negar ao Iêmen o apoio que necessita para combater o extremismo", declarou Brown.

O chefe do Governo lembrou que o Reino Unido já tem comprometidos cerca de 100 milhões de libras (aproximadamente 113 milhões de euros) de ajuda ao Iêmen, o que lhe transforma em um dos principais doadores ao país, além de colaborar com as autoridades iemenitas para treinar a unidades antiterroristas.

Os objetivos da cúpula londrina seriam, entre outros, encorajar esforços para "ampliar a capacidade do Governo" e facilitar ajuda humanitária às áreas com mais risco de radicalização.

Também há o desejo de identificar as necessidades antiterroristas do país, colaborar na instrução de suas forças de ordem e ajudar o Iêmen a realizar reformas econômicas, sociais e políticas.

O anúncio sobre a conferência acontece depois que Brown ordenou uma revisão do sistema de segurança dos aeroportos do Reino Unido, depois do ataque frustrado do passado dia do Natal nos EUA.

Brown, que espera o resultado de um relatório sobre o assunto nos próximos dias, declarou que "é preciso movimentar-se com rapidez" para melhorar a segurança aeroportuária após "a chamada de alerta" que representa a tentativa de atentado.

Da mesma forma que fez a Holanda, o Governo britânico considera a introdução de scanners corporais em seus aeroportos para minimizar a probabilidade de embarque de explosivos.

Segundo as autoridades americanas, o nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab, de 23 anos, iniciou os procedimentos para acionar uma mistura explosiva quando viajava de Amsterdã a Detroit em um avião da companhia americana Northwest, com aproximadamente 300 pessoas a bordo.

O chefe do Governo britânico assinalou que o suposto terrorista, que tinha estudado em Londres, estabeleceu contato com a Al Qaeda no Iêmen após abandonar Reino Unido. EFE jm/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG