A missão das forças britânicas no Iraque será concluída no primeiro semestre de 2009, anunciaram os dois países nesta quarta-feira, durante uma visita surpresa a Bagdá do primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown.

"O papel desempenhado pelas forças de combate britânicas está chegando ao fim. Estas forças terão concluído sua missão no primeiro semestre 2009 e, então, deixarão o Iraque", afirma um comunicado conjunto assinado pelo premier iraquiano Nuri al-Maliki e seu colega britânico.

O chefe de Governo britânico revelou ainda que na quinta-feira discursará na Câmara dos Comuns sobre o assunto.

"Nossa missão estará terminada em 31 de maio no mais tardar. E depois nossas tropas retornarão para casa em dois meses", disse.

"A maior redução acontecerá ao fim do período de retirada, em julho", completou Brown.

No entanto, Nuri al-Maliki lembrou que existe uma cláusula que permite ao governo iraquiano pedir uma extensão da presença de tropas estrangeiras.

Esta é a quarta visita de Brown ao Iraque desde que assumiu o posto de Tony Blair em em Downing Street em 27 de junho de 2007.

O governo iraquiano aprovou na terça-feira um projeto de lei que determina que as tropas estrangeiras da coalizão, com exceção dos oficiais dos Estados Unidos, devem deixar o país até 31 de julho de 2009.

O projeto ainda será submetido ao Parlamento.

A Grã-Bretanha mantém 4.100 militares na cidade portuária de Basra, 550 km ao sul do Iraque. Os oficiais britânicos, que constituem a maioria das forças não americanas da coalizão, entregaram o controle da província aos iraquianos em dezembro de 2007 e passaram a ser responsáveis por treinar o Exército iraquiano e dar apoio em caso de necessidade.

Desde a invasão do Iraque, em março de 2003, 178 soldados britânicos morreram neste país.

Nesta quarta-feira, o governo iraquiano confirmou ter apresentado o projeto de lei sobre a retirada das tropas não americanas até 31 de julho de 2009.

"O conselho de ministros aprovou um projeto de lei sobre a retirada do Iraque das forças britânicas, norte-irlandesas, australianas, romenas, estonianas, salvadorenhas e da Otan", declarou o porta-voz do governo, Ali al-Dabbagh.

Segundo outro acordo de segurança estabelecido entre Bagdá e Washington, os 146.000 soldados americanos deixarão o Iraque até o fim de 2011.

O mandato da ONU sobre a presença das tropas da coalizão no Iraque expira em 31 de dezembro de 2008. Por este motivo era necessária uma lei para autenticar a presença destas tropas depois da data.

rjm-kat/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.