Broncodilatadores aumentam risco de problemas cardíacos, diz estudo

Broncodilatadores anticolinérgicos usados para tratar doenças pulmonares e respiratórias crônicas podem aumentar o risco de problemas cardíacos fatais, segundo um estudo recente realizado por pesquisadores americanos e britânicos. Testes realizados com mais de 15 mil pacientes indicaram que esses remédios aumentam o risco de ataques cardíacos, derrame e morte cardiovascular em 58%.

BBC Brasil |

Os testes foram feitos com os remédios Atrovent e Spiriva, usados por pacientes com doença pulmonares obstrutiva crônica (DPOC) - bronquite crônica e enfisema - para respirar melhor.

O estudo dos pesquisaodres da Wake Forest University School of Medicine, nos Estados Unidos, e da University of East Anglia, na Grã-Bretanha, foi publicado na revista acadêmica Journal of the American Medical Association.

Mas os cientistas também disseram que os riscos devem ser medidos contra os benefícios oferecidos por esses remédios, que melhoram a qualidade de vida dos pacientes ao prevenir, por exemplo, que eles tenham de ser hospitalizados.

"O risco é relativamente pequeno - cerca de 3% dos usuários passam a ter problemas - mas é um risco sério. Se você tem uma história de problemas do coração ou um alto risco de desenvolver esse tipo de doença, você pode pedir para que seu médio receite um remédio que não seja anticolinérgico", disse o pesquisador Yoon Loke.

Ele enfatizou que a grande maioria das pessoas com DPOC são ou foram fumantes e têm maior risco de ataques cardíacos, mas o estudo atual não conseguiu determinar se esse fator de risco teve influenciou no resultado.

Debate
A equipe de Loke começou a investigar esses remédios depois que seu fabricante, a empresa Boehringer Ingelheim, alertou a agência americana responsável por fiscalizar alimentos e medicamentos, a Food and Drug Administration, para um maior risco de derrame com o uso dos medicamentos.

A Boehringer Ingelheim, entretanto, disse que discorda dos resultados mais abrangentes do estudo. Segundo a empresa, seus testes mais recentes com 19.545 pacientes "demonstraram que não há um maior risco de morte em geral (por qualquer causa) ou morte provocada por problemas cardiovasculares" com o uso do Spiriva.

O presidente da British Lung Foundation, Keith Prowse, disse que "agentes anti-colinérgicos são muito importantes para um grande número de pessoas com DPOC".

"O estudo mostra um possível risco de ataques cardíacos associados com o medicamento, mas os autores reconhecem que não há dados suficientes que permitam uma análise completa de outros fatores de risco, incluindo hipertensão e problemas do coração já existentes, então mais estudos são necessários para estabelecer o nível preciso de risco", afirmou.

Judy O'Sullivan, enfermeira da British Heart Foundation, disse que "pacientes com DPOC que se beneficiam de anti-colinérgicos não devem parar de usá-los com base apenas nesse estudo."
Elaine Vickers, da Asthma UK, também ressaltou que a pesquisa "envolveu apenas pacientes com DPOC que, ao contrário de pessoas com asma, têm danos irreparáveis nas vias respiratórias."
"O estudo analisa, especificamente, remédios não usados comumente para tratar asma e, se você tem asma, é importante que você tome os remédios receitados", afirmou.

Todos os especialistas ressaltaram que pacientes devem discutir qualquer preocupação com seu médico.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG