Britânicos perdem metade do trabalho com distrações, diz estudo

Uma pesquisa conduzida na Grã-Bretanha concluiu que um trabalhador produz, em média, menos da metade do tempo que passa no escritório. Em uma jornada de 8h, nada menos que 4h10 são perdidas em distrações como ler e responder e-mails desnecessários e navegar na internet para assuntos não relacionados ao trabalho - os dois fatores de distração apontados como principais pela pesquisa.

BBC Brasil |

Fofocas, problemas nos computadores e atender a ligações telefônicas inúteis completam a lista das principais razões para a perda de produtividade, indicou o levantamento, que ouviu mil pessoas em todo o país a pedido da divisão de carros de luxo Cadillac, controlada pela GM.

Ao usar construtivamente apenas 49% de um dia no escritório, estima-se que os trabalhadores britânicos desperdicem 140 bilhões de libras esterlinas por ano (equivalente a cerca de R$ 470 bilhões) em custos de mão-de-obra não-utilizada.

Esconderijo
As respostas indicaram que, embora a tecnologia tenha melhorado a produtividade no trabalho, também criou um ambiente em que muitas pessoas evitam o contato pessoal e preferem se esconder detrás de e-mails.

Dois de cada três e-mails (39%) são enviados para destinatários que estão sentados a menos de cem metros do remetente, de acordo com os resultados da pesquisa.

Como conseqüência, quatro em cada cinco funcionários ouvidos no levantamento (82%) afirmaram passar até três horas lendo e respondendo a comunicações internas.

"Efetivamente, mais de um em cada três (39%) dos trabalhadores de escritório disseram preferir que seus chefes fizessem como John Caudwell, o multimilionário fundador da loja de telefones Phones 4-U, que em 2003 proibiu e-mails dentro de sua companhia, dando preferência ao téte-à-téte", observaram os autores da pesquisa.

"Caudwell estimou que a proibição pouparia três horas por dia dos trabalhadores, e pelo menos um milhão de libras (cerca de R$ 3,4 milhões) em tempo."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG