Britânico quis ficar com sequestradores na Nigéria, diz guerrilha

Lagos, 2 jun (EFE).- O cidadão britânico sequestrado pelos rebeldes do Movimento para a Emancipação do Delta do Níger (Mend), que seria libertado na segunda-feira, decidiu ficar com os sequestradores e agora defende os princípios da guerrilha, disseram hoje os rebeldes, em comunicado.

EFE |

"Matthew Maguire rejeitou seu presente de aniversário, sua libertação, com o argumento de que apoia a mudança na região e agora é um membro honorário do Mend", afirma o grupo insurgente, em uma nota enviada à imprensa por e-mail.

"Ele insiste em que sua libertação só deve acontecer quando (o líder do Mend), Henry Okah, for colocado em liberdade, para que possa participar de um processo de paz verossímil ou que possa viajar para fazer uma operação de rim urgente", acrescenta o Mend.

Okah, que foi detido em Angola em setembro de 2007 e extraditado à Nigéria meses depois, está preso em Abuja, capital federal nigeriana, onde é julgado por traição, acusação que pode levar à pena de morte se for considerado culpado.

O Mend afirma que a postura do britânico, sequestrado pelos rebeldes por cerca de nove meses, "os surpreendeu " e afirma que não podem expulsá-lo "à força" de seu acampamento.

Em abril, o Mend libertou - por motivos de saúde - Robin Barry Hughes, outro britânico que foi sequestrado junto com Maguire em setembro do ano passado, a pedido de Henry Okah, líder do Mend.

Segundo o Mend, Maguire e Hughes foram "resgatados" pelo grupo depois que piratas os sequestrassem, em 9 de setembro do anoa passado, junto com outros 25 tripulantes no estado nigeriano de Rivers do navio de serviços petroleiros "MT Blue Ocean".

Os outros reféns - 22 nigerianos, dois sul-africanos e um ucraniano - foram libertados pouco depois de o Mend os "resgatar".

EFE da/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG