Um homem da cidade de Colne, no norte da Inglaterra, foi condenado nesta sexta-feira por envenenar a ex-mulher com mercúrio em uma tentativa de evitar que ela se afastasse dele. William Dowling, de 69 anos, admitiu durante o julgamento que colocou mercúrio no chá de Maureen Dowling, de 64 anos, para que ela ficasse doente e dependente da ajuda do ex-marido e voltasse a morar com ele.

A mulher havia abandonado há quatro anos a casa em que morou com William, com quem teve um relacionamento de 28 anos, mas continuava a visitá-lo regularmente.

Durante o julgamento, Maureen afirmou ter percebido algo que depois ficou provado ser mercúrio no chá que William lhe ofereceu em pelo menos em quatro ocasiões.

Por causa da substância, Maureen teve perda de memória, indigestão e dores de cabeça, mas especialistas afirmam que o envenenamento não teve um impacto mais grave e permanente na saúde dela.

"Sorte"
O juiz Robert Brown, responsável pelo caso, condenou William Dowling a uma pena de prisão de 350 dias, suspensa por dois anos.

Segundo o escritório de advocacia Noronha Advogados, isso significa que os 350 dias de detenção não precisam ser cumpridos pelo condenado, mas se ele se envolver em outro crime no prazo de dois anos, precisará cumprir tanto essa sentença como a referente à nova infração que cometer.

O juiz impôs ainda a William Dowling uma ordem de supervisão de 18 meses.

Brown disse que foi por "sorte" que Maureen não teve problemas de saúde mais graves.

"Esta foi uma forma maldosa de tratar a sua mulher e também potencialmente fatal. Felizmente o seu plano foi descoberto antes de ter causado graves danos (à saúde dela)", disse o juiz.

Segundo Brown, apesar do mau estado de saúde de Maureen Dowling, a concentração de mercúrio no organismo dela não era mais alta do que a da média presente nas pessoas.

O juiz suspendeu a sentença de William Dowling levando em conta sua admissão de culpa, antecedentes de bom comportamento e o fato de que ele é "respeitável" e demonstrou "remorso genuíno".

Metal
O promotor Mark Lamberty disse que o envenenamento foi descoberto durante uma visita de Maureen Dowling à casa do ex-marido em 2008.

Ela notou que havia o que pareciam ser pequenos pesos de metal no fundo da xícara e disse para a filha, Julie, que já os tinha visto antes.

William Dowling disse que a substância poderia ter algo a ver com a chaleira elétrica ou os saquinhos de chá.

Ele foi preso quando tentava esconder a xícara de policiais que realizavam uma busca em sua casa.

reen não teve problemas de saúde mais graves.

"Esta foi uma forma maldosa de tratar a sua mulher e também potencialmente fatal. Felizmente o seu plano foi descoberto antes de ter causado graves danos (à saúde dela)", disse o juiz.

Segundo Brown, apesar do mau estado de saúde de Maureen Dowling, a concentração de mercúrio no organismo dela não era mais alta do que a da média presente nas pessoas.

O juiz suspendeu a sentença de William Dowling levando em conta sua admissão de culpa, antecedentes de bom comportamento e o fato de que ele é "respeitável" e demonstrou "remorso genuíno".

Metal
O promotor Mark Lamberty disse que o envenenamento foi descoberto durante uma visita de Maureen Dowling à casa do ex-marido em 2008.

Ela notou que havia o que pareciam ser pequenos pesos de metal no fundo da xícara e disse para a filha, Julie, que já os tinha visto antes.

William Dowling disse que a substância poderia ter algo a ver com a chaleira elétrica ou os saquinhos de chá.

Ele foi preso quando tentava esconder a xícara de policiais que realizavam uma busca em sua casa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.