Britânico é absolvido de homicídio após passar 27 anos na cadeia

Por Tim Castle LONDRES (Reuters) - A justiça britânica absolveu um homem na quarta-feira de uma condenação por homicídio pela qual ele passou 27 anos na prisão.

Reuters |

A Corte de Apelações determinou que a condenação de Sean Hodgson pelo assassinato de uma garçonete de 22 anos era "precária" e deveria ser anulada à luz da evidência de DNA -- indisponível à época de seu julgamento, em 1982.

Do lado de fora do tribunal, com uma aparência frágil, Hodgson, de 57 anos, afirmou estar "em êxtase" por ter sido absolvido.

Teresa De Simone foi encontrada estrangulada dentro de seu carro em 1979 no estacionamento embaixo do bar em que trabalhava na cidade costeira de Southampton, no sul do país. Ela também foi estuprada.

Hodgson, que na época tinha estado na área, foi condenado com base em suas confissões (mas depois voltou atrás) e na comparação de tipos sanguíneos comuns. O teste de DNA passou a ser usado nos julgamentos da Grã-Bretanha apenas em 1986.

O chefe do Judiciário da Inglaterra, Igor Judge, disse que a análise de DNA no esperma retirado do corpo de Simone mostrou que ele não veio de Hodgson, relatou a Press Association.

"O argumento soberano era que quem quer que tivesse estuprado (Simone) também a teria matado, portanto a nova evidência de DNA arruinou o caso para a acusação", disse Judge.

Hodgson, que é do condado de Durham, disse ter feito a confissão por ser um mentiroso patológico. Desde então sofre de doença mental.

A polícia reabriu a investigação sobre a morte de Simone.

Hodgson, que negou a acusação em seu julgamento, permaneceu muito tempo atrás das grandes porque continuou em insistir em sua inocência, descartando a possibilidade de liberdade condicional, disse o advogado dele, Julian Young.

Outro homem, Stephen Downing, também ficou preso durante 27 anos pelo assassinato de uma datilógrafa de Derbyshire antes de sua condenação ser anulada em 2002.

Promotores estaduais disseram na quarta-feira estar considerando uma proposta para revisar todos os casos similares de homicídio cujas sentenças foram proferidas antes de a prova do DNA tornar-se disponível.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG