Britânica que deu à luz antes de morrer foi vítima de gripe suína

Uma mulher de 39 anos que deu à luz pouco antes de morrer foi uma das mais recentes vítimas da gripe suína na Grã-Bretanha. A vítima fatal, cuja identidade não foi revelada, morreu em um hospital londrino no último dia 13 de julho, segundo informações divulgadas nesta semana.

BBC Brasil |

Um bebê com menos de seis meses também esteve entre os mortos pela gripe suína recentemente.

O país registrou um surto de infecções de gripe suína nos últimos dias, com cerca de 55 mil casos registrados somente na semana passada.

Representantes de associações médicas da Grã-Bretanha vêm criticando o governo por não ter feito o suficiente em evitar que a população fique alarmada.

Segundo Laurence Buckman, o presidente da Associação Médica Britânica, ''o problema é que há 60 milhões de pessoas que estão petrificadas de medo. É claro que existe um risco, mas para a maior parte das pessoas, o medo está superando a realidade'' sem razão de ser.

Buckman afirmou que a gripe suína é, em grande parte, uma doença ruim, mas de gravidade média, mas que, ainda assim, muitos estão entrando em pânico e correndo aos consultórios médicos.

De acordo com o presidente da entidade médica, ''o índice de mortalidade é bastante similar ao de uma gripe sazonal, ainda que (a gripe suína) esteja atingindo grupos mais jovens. Para a maior parte das pessoas, será uma doença ruim, mas de gravidade média''.

Buckman enfatizou que não está sugerindo que o governo não deva divulgar dados sobre a doença, mas que autoridades médicas devem frisar o caráter de gravidade médio da gripe suína.

O presidente da entidade acrescentou ainda que a mídia deve lidar com informações sobre a doença de forma responsável. "Algumas manchetes de jornais não têm ajudado'', acrescentou.

Mas um porta-voz do Departamento de Saúde disse que o governo tem reiterado por repetidas vezes que a doença é de caráter brando para muitas pessoas.

O governo britânico criou recentemente o Serviço Nacional de Combate à Gripe Pandêmica, após pedidos por informações e consultas terem multiplicado em todo o país.

No final da semana, serão criados serviços telefônicos e online, que poderão fornecer medicamentos contra a gripe, e prestar informações em tempo real.

Entre os que sofrem maior risco de contrair a gripe suína estão pessoas com doenças pulmonares, doenças cardíacas, que sofrem de males dos rins, diabéticos, pacientes que tomam medicamentos contra asma, mulheres grávidas e crianças com menos de cinco anos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG