Brigitte Bardot pede ajuda para candidatura de Marine Le Pen

Atriz francesa defendeu líder da extrema direita, que está com dificuldades para obter 500 assinaturas necessárias para candidatura

iG São Paulo |

EFE
A atriz francesa Brigitte Bardot (foto de arquivo)
A atriz francesa Brigitte Bardot defendeu nesta quarta-feira a candidata de extrema direita às eleições presidenciais da França Marine Le Pen, que está com dificuldades para obter o aval de 500 políticos locais à sua candidatura.

Leia também: Em ritual político, candidatos franceses buscam 500 assinaturas

Brigitte, que tem 77 anos e se aposentou nos anos 1970, enviou uma carta a um grupo de políticos pedindo a eles sua assinatura a favor da candidatura de Marine pela Frente Nacional (FN), informou nesta quarta-feira o jornal Nice Matin.

Brigitte Bardot é uma ferrenha defensora dos direitos dos animais e é casada com Bernard d'Ormale, um conhecido militante da FN e ex-conselheiro do fundador do partido de extrema-direita, Jean-Marie Le Pen, pai de Marine.

O Nice Matin publicou uma carta manuscrita na qual a atriz se diz "escandalizada que os prefeitos da França sejam tão medrosos" e pede que deem "voz a Marine Le Pen, que faz parte de um grupo que defende os animais e que tem a coragem para devolver à França o lugar que deve ocupar no mundo".

Sarkozy: Presidente francês oficializa candidatura à reeleição
Hollande: Candidato socialista promete elevar impostos dos mais ricos

A carta foi publicada um dia após o Conselho Constitucional francês rejeitar o pedido da candidata ultradireitista para que os prefeitos que assinarem o documento possam manter seus nomes em sigilo.

Na França, há uma lei que estipula que aqueles que desejam se candidatar precisam conseguir 500 assinaturas de prefeitos ou oficiais do governo de ao menos 30 Estados em toda a França ou em seus territórios internacionais, desde que não ultrapasse a quantidade de 50 assinaturas obtidas em um único distrito ou território.

O Tribunal Constitucional, o mais alto tribunal da França, valida os 500 endossos cerca de um mês antes do primeiro turno das eleições. Nesse ano, os oficiais têm até o dia 16 de março para apresentar seu endosso.

Mas foi apenas em 1976 que a lista dos oficiais que concedem suas assinaturas foi exposta ao público, algo que virou um problema sempre que um candidato de extrema-direita da Frente Nacional está querendo se candidatar à presidência, como em um dos casos neste ano.

Com EFE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG