MADRI - Os brasileiros lideraram em 2008 a lista de estrangeiros barrados pelas autoridades da Espanha em sua chegada ao país pelo aeroporto de Madri.

Segundo informações, 2,5 mil brasileiros foram impedidos de entrar no país pela capital espanhola durante o ano passado, menos que os 2.764 barrados em 2007.

Em segundo e terceiro no ranking de deportações, ficaram os paraguaios e argentinos, respectivamente.

Segundo dados provisórios, aos quais a Agência Efe teve acesso, durante o ano passado, agentes da Polícia de Fronteiras que trabalham no aeroporto de Madri negaram a entrada na Espanha de 12 mil pessoas, cerca de 30 por dia.

Em comparação com o ano anterior, o número de pessoas barradas diminuiu 32%, já que, em 2007, 17.408 estrangeiros tiveram que voltar para casa direto do aeroporto.

Sobre essa redução, fontes aeroportuárias disseram à Efe que é preciso levar em conta a queda geral no tráfego de passageiros pelo aeroporto de Madri-Barajas e a cobrança de visto para cidadãos bolivianos, iniciada em abril de 2007.

As fontes consultadas também destacaram o aumento das expulsões de argentinos, que aumentaram de 383 para 800, ao passo que as deportações de paraguaios subiram de 634 para 1,5 mil.

No caso do Brasil, o grande número de brasileiros barrados no aeroporto provocou mal-estar com o Governo espanhol, motivo pelo qual os dois países se reuniram para estabelecer medidas que pudesse melhorar essa situação.

Na maioria dos casos, os estrangeiros são impedidos de entrar na Espanha por não levarem dinheiro suficiente em espécie ou por estarem sem certos documentos exigidos por lei, como uma carta-convite ou a passagem de volta.

Leia mais sobre: imigração

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.