Brasileiro que pediu asilo nos EUA por ameaças no Brasil ganha nova audiência

Chicago (EUA.), 8 mai (EFE).

EFE |

- A Corte Federal de Apelações em Chicago ordenou hoje uma nova audiência de imigração para o brasileiro Jonathan Castilho de Oliveira, de 20 anos, que pediu asilo nos Estados Unidos por ameaças de morte recebidas no Brasil.

Um painel de três juízes acatou a solicitação do brasileiro, que, ao recorrer de uma sentença anterior, afirmou que seu pedido de asilo não foi tratado com neutralidade pelo magistrado a cargo do processo.

Segundo a sentença do painel, o juiz de imigração O. John Brahos pareceu ter "entrado na audiência com uma decisão preconcebida".

Ao ordenar uma nova audiência em data a ser confirmada e perante outro juiz, o painel sustentou que o magistrado ignorou um relatório do Departamento de Estado americano que apoiava o pedido de asilo.

Além disso, teria recusado "indevidamente" considerar notícias publicadas na imprensa brasileira 12 anos atrás, sobre o assassinato do pai do jovem.

Por outro lado, segundo o painel, Brahos insistiu em perguntar a Castilho de Oliveira se tinha problema de fertilidade ou sobre suas crenças religiosas, "até quando isso não tinha nada a ver com o caso".

"O juiz de imigração interrompeu repetidas vezes o testemunho para fazer perguntas irrelevantes e às vezes inflamatórias, se recusando a considerar evidências importantes e decidindo sem se aprofundar no caso", acrescenta.

No pedido de asilo, Castilho de Oliveira afirma que seu pai participou de um esquema ilegal no Brasil para fornecer fundos a dois políticos supostamente corruptos, ameaçou denunciar o caso publicamente e foi assassinado.

Ele disse que a mãe entregou provas a um promotor que incriminariam figurões políticos, banqueiros e policiais, pelo que ela e outros membros da família foram ameaçados de morte.

A mãe e uma irmã de Castilho de Oliveira se refugiaram nos Estados Unidos, onde entraram com visto de turista, enquanto o jovem tentou fazer isso pela fronteira com o México por não ter documento e acabou detido.

O juiz não acreditou na história do jovem e negou o pedido de asilo.

Os documentos divulgados pela corte não especificam as datas em que ocorreram essas viagens.

Os juízes de apelação Richard Posner, Michael Stephen Kanne e Diane Sykes lembram na sentença de 14 páginas que Brahos foi questionado pela corte em outros casos, devido a "erros de lógica", assim como por sua forma de interrogar "áspera e dura que sugere predisposição".

Afirmam também que a conduta do juiz de imigração foi considerada "desmedida" e até "zombadora", acrescenta a sentença. EFE jm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG