Brasileiro: Parecia que estava em uma caixa e alguém chacoalhava

Empresário estava em um café na região central de Tóquio quando o tremor começou

BBC Brasil |

selo

Há três anos no Japão, o empresário Helio Ciffoni vivenciou na sexta-feira umas das mais aterrorizantes situações. Viu a terra tremer com fúria. "A sensação era a de que estava numa caixa e alguém a chacoalhava", conta.

Ciffoni estava em um café na região central de Tóquio quando o tremor começou. "Vi que estava tremendo demais e a primeira reação foi sair debaixo do aparelho de ar condicionado, com medo de ele cair na minha cabeça", conta.

Quando chegou na rua, veio o segundo terremoto. "A sensação da calçada se mexendo é horrível", lembra o empresário. "É uma experiência que não quero repetir de jeito nenhum."

Ciffoni tinha uma reunião marcada naquela tarde, num prédio próximo ao café. "Quando estava na rua, vi que todos os funcionários do edifício tinham descido. Então, acabamos fazendo a nossa reunião ali mesmo, na calçada, de pé", diz.

A formalidade japonesa gerou, como conta o brasileiro, uma situação inusitada. "O responsável pediu desculpas por aquela situação e ainda ficou bravo com um funcionário porque ele esqueceu de descer com os cartões de visita", ri.

Noite em claro

Depois da "reunião", Ciffoni foi a pé até o escritório onde a esposa trabalha. Gastou cerca de duas horas e meia, mas não a encontrou lá. "Mandei uma mensagem por e-mail e combinamos de nos encontrar no saguão de um hotel."

Segundo o brasileiro, era imposssível voltar para casa, já que a confusão era grande e o sistema de trens foi interrompido. "A ideia era nos hospedar lá, mas não havia vagas."

Os dois se juntaram então a diversos outros japoneses que procuraram por abrigo no hotel. "Os funcionários nos serviram água, deixaram recarregar as baterias dos celulares e nos forneceram cobertores", conta.

Hoje (sábado) de manhã (horário local), o casal conseguiu voltar para casa. "Já tomamos café, conversamos com nossos familiares no Brasil e agora vamos tentar dormir um pouco, se for possível."

    Leia tudo sobre: japãoterremototsunamitremorbrasileiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG