Brasileiro foi uma das vítimas de atirador nos EUA

Washington, 5 abr (EFE).- O professor brasileiro Almir Olimpio Alves, de 43 anos, foi uma das vítimas do ataque de sexta-feira a um centro de assistência a imigrantes na cidade americana de Binghamton, no qual outras 13 pessoas morreram, entre elas o atirador.

EFE |

Além de Almir, imigrantes de Filipinas, China, Haiti, Paquistão, Iraque e Vietnã foram assassinados, além de um estudante americano.

Na sexta-feira, Jiverly Wong, um americano de origem vietnamita, invadiu o centro, matou 13 pessoas e feriu outras 12 antes de se suicidar.

Hoje, as autoridades policiais explicaram por que demoraram quase 45 minutos para entrar no edifício tomado por Wong.

"Nenhuma decisão da Polícia teve efeito sobre os que morreram", disse durante entrevista coletiva o procurador do condado de Broome, Jerry Mollen.

Mollen lembrou que, depois que a Polícia chegou ao centro, "não houve mais disparos" e disse que "nenhuma das vítimas teria sido salva mesmo se a Polícia tivesse entrado no primeiro minuto", já que as lesões foram muito graves, de acordo com o médico legista que realizou as autópsias das vítimas.

O chefe da Polícia de Binghamton, Joseph Zikuski, disse que os primeiros chamados foram recebidos às 10h30 locais (11h30 de Brasília), e que os policiais demoraram para pegar as informações porque as pessoas que ligaram falavam inglês com muito sotaque.

Mesmo assim, as primeiras viaturas chegaram ao centro três minutos depois do primeiro chamado, garantiu Zikuski.

Zikuski disse que, quando não escutaram mais tiros, a Polícia viu que não havia um "atirador ativo" no interior do edifício e decidiu esperar reforços das equipes da SWAT (unidade policial especial), as quais entraram no centro 43 minutos depois do primeiro chamado.

Diante do assédio da imprensa, Zikuski insistiu em dizer que a Polícia teria entrado no centro mesmo se os disparos tivessem continuado.

Segundo Mollen, as autoridades analisarão a resposta ao tiroteio e emitirão um relatório completo, mas não definiu uma data para isso. EFE mp/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG