Cairo, 14 mai (EFE).- Uma brasileira e dois supostos criminosos peruanos negaram hoje diante de um tribunal ter roubado em dezembro passado um milhão de libras egípcias (US$ 185 mil) do Banco Central do Egito, anunciou a agência oficial Mena.

Os três acusados estão atualmente em prisão preventiva após serem detidos no mês passado no Cairo quando tentavam roubar outro banco no centro da capital.

Um deles apareceu na televisão e na imprensa egípcia no mês passado reconhecendo sua participação no roubo e descrevendo-o com detalhes.

Segundo a agência oficial, na sessão de hoje, realizada no Tribunal Penal de Abdin, no centro do Cairo, os acusados negaram a autoria do roubo.

Fontes da embaixada do Peru no Cairo afirmaram que até o momento não puderam entrar em contato com os acusados.

Segundo a agência "Mena", o principal acusado peruano, identificado como Alberto Manuel Castro, disse na sessão de hoje que dirá "toda a verdade" na presença de um advogado.

Como conseqüência, o tribunal decidiu continuar o processo no próximo dia 21, quando os advogados deverão estar presentes.

Segundo as primeiras declarações de Castro à imprensa e televisão egípcias, o primeiro roubo aconteceu nos arredores do Banco Central em pleno centro do Cairo.

Castro conseguiu distrair e despistar um dos seguranças que guardavam os sacos de dinheiro, enquanto um de seus companheiros discretamente roubava um dos sacos, que continha um milhão de libras, retirando-o do carrinho que levava o dinheiro a um caminhão blindado.

Os criminosos dividiram o dinheiro, trocaram por euros e dólares e viajaram para o Peru, segundo as fontes. EFE hh/ev/plc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.