Brasil planeja gastar mais US$ 205 mi com o Haiti

Brasília, 21 jan (EFE).- O Governo brasileiro desenhou hoje um plano de ajuda ao Haiti que prevê gastos de US$ 205 milhões, quantia que será usada para reforçar o atendimento na área da saúde e o trabalho das tropas da Missão de Estabilização da ONU no país caribenho (Minustah), informaram fontes oficiais.

EFE |

O assunto foi tratado durante uma reunião entre ministros e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No encontro, eles passaram em revista a ajuda enviada pelo Brasil desde o terremoto do último dia 12.

Segundo o que foi combinado na reunião, o Ministério do Planejamento vai enviar ao Congresso um documento pedindo a liberação de US$ 205 milhões em créditos extraordinários para serem enviados ao Haiti.

A "Agência Brasil" disse que parte da verba (US$ 76 milhões) será para o Ministério da Saúde, que terá a incumbência de instalar em Porto Príncipe dez unidades de diagnóstico e primeiros socorros.

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse à imprensa que o objetivo é que essas unidades comecem a funcionar o mais rápido possível, 24 horas por dia, para aliviar a pressão sobre os hospitais haitianos.

O Ministério da Defesa, por sua vez, deverá receber US$ 115 milhões para reforçar o trabalho das tropas brasileiras que integram a Minustah.

O departamento disse ainda que sua intenção é dobrar o número de soldados que o Brasil tem atualmente no Haiti (1.266) e que, o quanto antes, mais 900 militares serão enviados ao país caribenho.

O Congresso, que está em recesso, já recebeu o pedido de autorização para a transferência dos militares. A previsão é que, na segunda-feira, o assunto seja debatido em uma reunião extraordinária.

O dinheiro restante será destinado às atividades dos diplomatas brasileiros e ao financiamento do envio de mais alimentos, água e outros artigos de primeira necessidade para as vítimas do desastre.

Desde o último dia 12, o Governo brasileiro enviou ao Haiti 165 toneladas de ajuda, um hospital de campanha e 150 especialistas em diversas áreas. EFE ed/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG