Brasil pede respeito à democracia em Guiné-Bissau

Brasília, 1 abr (EFE).- O Governo federal pediu hoje às autoridades, Forças Armadas e à sociedade de Guiné-Bissau que respeitem a ordem democrática, após a tentativa de golpe de Estado liderada por um grupo de militares.

EFE |

O Brasil pediu a todos os setores e forças do país africano que atuem "com moderação", e disse que precisam resolver suas diferenças com respeito à democracia, segundo um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores.

O Executivo ressaltou que é preciso trabalhar para consolidar "os avanços" no processo de estabilização e de reformas internas, que conta "com amplo respaldo da comunidade internacional".

Um grupo de militares mantém retido o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de Guiné-Bissau, após ter tentado derrubar o primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior, que se negou a renunciar.

Guiné-Bissau realizou eleições presidenciais em julho de 2009, quatro meses depois de o presidente João Bernardo Vieira ser morto a tiros por um grupo de soldados.

As eleições foram vencidas por Malam Bacai Sanha, o atual presidente, que manteve como primeiro-ministro Gomes, que já ocupava o cargo com Vieira.

Desde sua independência de Portugal, em 1974, Guiné-Bissau sofreu diversos de golpes de Estado e enfrentamentos entre facções rivais do Exército para assumir o poder. EFE mp/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG