maior engajamento da comunidade internacional em Honduras - Mundo - iG" /

Brasil pede maior engajamento da comunidade internacional em Honduras

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, pediu maior engajamento dos Estados Unidos na crise política em Honduras em uma conversa por telefone com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, nesta segunda-feira. O pedido de maior envolvimento foi feito ainda ao diretor-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e ao secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza.

BBC Brasil |

Amorim conversou com os dois por telefone.

Em entrevista a jornalistas, em Brasília, Amorim disse que citou a recusa do governo interino em permitir a entrada de diplomatas da OEA em Honduras, e possibilidade de que a embaixada brasileira perca o status diplomático como casos "graves" que merecem a atenção da comunidade internacional.

"Esses fatos mostram um estado de surdez das autoridades de facto frente ao que tem dito a OEA. Há total falta de receptividade", disse o ministro.

OEA
O chanceler brasileiro também demonstrou "preocupação" quanto às declarações do embaixador americano na Organização dos Estados Americanos (OEA), Lewis Amselem, que descreveu a volta de Manuel Zelaya a Honduras como "irresponsável e insensata".

Em Washington, o embaixador brasileiro na OEA, Ruy Casaes, criticou a postura da organização na crise em Honduras. Durante a reunião do conselho, Casaes disse que a OEA "está caminhando cada vez mais para um absoluto estado de irrelevância".

Ainda nesta segunda-feira, o Itamaraty fez uma nova notificação ao Conselho de Segurança da ONU. Em carta enviavada à presidente do Conselho, Susan Rice, a representação brasileira cita as ameaças à embaixada brasileira em Honduras.

"Nosso governo acredita que o Coselho de Segurança deve ser informado dos acontecimentos para que possa tomar as medidas que considerar apropriadas, no tempo certo", diz o documento.

Estados Unidos
A avaliação do governo brasileiro é de que, sozinho, o país não conseguirá resolver o impasse que se instalou em Honduras, e que a participação dos Estados Unidos, por exemplo, tornou-se "fundamental" para a solução da crise.

O assessor especial do Palácio do Planalto, Marco Aurélio Garcia, disse que o governo americano poderia adotar sanções "mais enfáticas" em relação à economia hondurenha.

"Não há dúvida de que poderiam ser mais contundentes", disse Garcia à BBC Brasil.

Segundo ele, houve uma "clara involução" da situação em Honduras e que o país vive sob uma "ditadura".

"As restrições à imprensa local e a suspensão de direitos individuais são prova de que o país vive uma ditadura. Tivemos uma involução da situação tremenda", disse o asssessor.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG