Brasil pagará o que for necessário por ações no Haiti, diz ministro

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou, nesta quinta-feira, em Porto Príncipe, que o Brasil pagará o que for necessário pelas novas ações de apoio ao Haiti. As declarações foram feitas durante uma coletiva de imprensa após uma reunião com o presidente haitiano, René Préval.

BBC Brasil |

  • Veja fotos da destruição após terremoto no Haiti
  • Após a tragédia, solidariedade reúne diversos países
  • Fotos aéreas dão dimensão dos estragos no Haiti
  • Haiti vive cenas de destruição e desespero; assista
  • Veja as principais notícias sobre o terremoto no Haiti
  • Tragédia reacende discussão sobre papel de tropas brasileiras no Haiti
  • Questionado por um jornalista sobre o custo adicional que o Brasil eventualmente terá com as novas ações de apoio ao Haiti, Jobim respondeu que a determinação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi identificar o que era preciso fazer para só depois verificar o custo das ações. "Pagaremos o que for necessário", disse Jobim.

    Além de Préval, participaram da reunião o presidente da República Dominicana, Leonel Fernández, e os comandantes da Marinha, Almirante Júlio Soares de Moura Neto, e do Exército, General Enzo Martins Peri.

    Durante o encontro, Préval agradeceu o forte apoio dado pelo Brasil e relatou que a prioridade do país, no momento, é restabelecer as comunicações para facilitar as ações de governo.

    "Cada vez que o presidente tem que falar com o primeiro-ministro do país tem que mandar buscá-lo. Se o primeiro-ministro quer falar com o chefe da polícia, não sabe onde ele está", disse Préval. O segundo problema grave a ser resolvido com urgência, de acordo com o presidente, é a remoção dos destroços para desobstruir as vias e permitir que máquinas e equipamentos de socorro transitem com mais facilidade.

    De acordo com Préval, o terceiro problema é o suprimento de combustíveis para carros do próprio governo. O presidente da República Dominicana disse que o governo de seu país está disposto a trabalhar de forma coordenada com o Brasil para o atendimento dos feridos e também colocou à disposição do governo haitiano os portos e aeroportos da República Dominicana para entregar produtos ao Haiti.

    O ministro Jobim já partiu de Porto Príncipe e deve chegar ao Brasil nesta sexta-feira.

    Ajuda

    Na noite de quinta-feira, o primeiro avião C-130 Hércules da Força Aérea Brasileira (FAB), com 12 toneladas de equipamentos da estrutura do Hospital de Campanha da Aeronáutica (HCAMP), decolou da Base Aérea do Galeão (RJ), rumo ao Haiti.

    A previsão é de que duas outras aeronaves cheguem a Porto Príncipe até sábado. Uma delas vai transportar 34 módulos da Unidade Celular de Intendência (UCI), que proporcionarão infraestrutura necessária para os militares, como geradores e alojamentos. A outra levará uma equipe composta por 50 profissionais da área de saúde da Aeronáutica.

    O principal objetivo da FAB é prestar atendimento médico às vítimas do terremoto que devastou a capital haitiana na última terça-feira.

    "O cenário que esperamos é um dos piores possíveis, em função da falta de estrutura do país. A nossa missão é salvar vidas, por isso estamos indo para lá", ressaltou o Brigadeiro-Médico José Maria Calheiros, chefe da missão, que já teve experiências semelhantes nos terremotos de El Salvador e México.

    Leia também:

    Leia mais sobre terremoto

      Leia tudo sobre: haititerremototerremoto no haiti

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG