Brasil mobiliza Marinha e Força Aérea em busca de avião da Air France

Rio de Janeiro, 1 jun (EFE).- As autoridades brasileiras mobilizaram hoje a Marinha e a Força Aérea para ajudar na busca pelo avião Airbus A330-200 da Air France, que desapareceu no Atlântico com 228 pessoas a bordo quando ia do Rio de Janeiro para Paris.

EFE |

A Marinha enviou três navios para averiguar a enorme área do oceano em que se suspeita que a aeronave desapareceu, começando a busca a 565 quilômetros do norte de Natal.

Nesse ponto, o avião fez o último contato com os controladores brasileiros, às 22h33 (Brasília) de domingo, quando informou que entraria no espaço aéreo do Senegal uma hora depois.

O primeiro navio, que partiu de Natal, chegará a essa zona amanhã à noite, enquanto um outro que estava na base naval de Maceió e outro que se encontrava na base de Salvador demorarão mais um dia.

A última posição conhecida da aeronave é a de latitude 00º26'59"sul e longitude 31º52'64" oeste, localizada a 800 quilômetros de Natal, perto da fronteira do espaço aéreo do Senegal.

Foi desse ponto que o avião enviou uma mensagem automática à companhia informando sobre uma falha técnica.

Esse ponto é o centro da busca para as sete aeronaves disponibilizadas até o momento pela Força Aérea, que partiram de diferentes pontos do país em direção ao arquipélago de Fernando de Noronha, que usarão como base.

De Salvador foi enviado um avião Bandeirante de patrulha marítima (P-95) e um helicóptero Blackhawk (H-60). Do Mato Grosso do Sul saiu uma aeronave Bandeirante SR (SC-95) e uma Amazonas (SC-105) de busca e resgate.

Do Rio de Janeiro partiu um helicóptero Super Puma (H-34) e uma aeronave Hércules (C-130) em conjunto com uma equipe do Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento, unidade de elite para operações de busca e resgate.

Além disso, uma aeronave Hércules (C-130), que estava voando para Europa na altura das Ilhas Canárias, recebeu a ordem de voltar para realizar o trajeto inverso ao do avião da Air France.

A Marinha também entrou em contato via satélite com quatro navios mercantes, Lexa Maersk, Jo Cedar, Ual Mtexas e Stolt Inspiration, que circulam pela área.

Além desses quatro, se tentará localizar outros navios mercantes que tenham previsto atravessar a área possível do acidente para que possam acelerar a busca em coordenação com as autoridades brasileiras.

A aeronave tinha decolado na noite de domingo do Rio de Janeiro com 216 passageiros e 12 tripulantes, entre os quais se encontravam 58 cidadãos brasileiros, segundo a lista divulgada pela empresa.

Além disso, viajavam 61 franceses, 26 alemães, nove chineses, nove italianos, cinco britânicos, seis suíços, cinco libaneses, quatro húngaros, três eslovacos, três noruegueses, três irlandeses, dois americanos, dois espanhóis, dois marroquinos e dois poloneses.

No aeroporto internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, se viveram hoje momentos de intensa dor entre os parentes dos desaparecidos, que foram ao local para obter em primeira mão as informações dadas pela companhia aérea francesa.

Todos eles foram encaminhados para uma sala especial, onde receberam atenção por parte dos representantes da Air France e por uma equipe de psicólogos.

Entre os passageiros se encontrava o príncipe Pedro Luis de Orleans e Bragança, de 26 anos, que seria o quarto na linha de sucessão para coroa brasileira. EFE mp/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG