A Cúpula da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), que será realizada na próxima semana em Brasília, pode ser uma oportunidade de aproximação entre Colômbia, Equador e Venezuela, envolvidos em fortes tensões, disse nesta sexta-feira o principal assessor internacional da presidência brasileira, Marco Aurélio Garcia.

"Haverá uma reunião da Unasul no Brasil em alguns dias (...) e um encontro privado dos presidentes, e tenho a impressão de que nesta reunião, evidentemente, este tema vai aparecer", disse Garcia, principal enviado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar desta crise regional.

"Esperamos isto (a aproximação entre os três países), mas será algo que veremos no momento", destacou Marco Aurélio Garcia em declarações à imprensa na V Cúpula da América Latina e União Européia (UE), em Lima.

"Acreditamos que o primeiro passo para que este problema seja resolvido foi dado em Santo Domingo (na Cúpula do Grupo de Rio), e esperamos poder avançar com uma reaproximação; o governo brasileiro está disposto a promover esta reaproximação".

Os presidentes de Colômbia, Alvaro Uribe; Equador, Rafael Correa, e Venezuela, Hugo Chávez, participam nesta sexta-feira da Cúpula de Lima.

As relações entre Colômbia e Equador entraram em crise após uma incursão militar colombiana no território equatoriano, que matou o líder guerrilheiro das Farc Raúl Reyes, em 1º de março.

A Venezuela apoiou o Equador e os dois países passaram a trocar acusações com Bogotá.

Nesta quinta-feira, a Interpol informou que não houve alteração nos arquivos do computador encontrado com Raúl Reys, que segundo Bogotá revelam as ligações de Caracas e Quito com a guerrilha colombiana.

A Cúpula da Unasul será realizada na próxima sexta-feira, em Brasília.

ym/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.