FT - Mundo - iG" /

Brasil enfrenta dilema com taxa de juros, diz FT

O Banco Central do Brasil enfrenta um dilema nesta semana, quando decide se volta ou não a aumentar as taxas básicas de juros da economia, na avaliação de uma análise publicada na edição online do diário britânico Financial Times. O texto comenta que a maioria dos economistas prevêem um aumento de 0,25 ponto percentual e que a taxa Selic está estacionada em 11,25% desde setembro, quando o BC interrompeu um ciclo de queda de dois anos, a partir de uma taxa de 19,75%.

BBC Brasil |

    O FT observa que "o crédito barato tem sido um estímulo poderoso para o consumo doméstico, que tomou o lugar das exportações como principal motor do crescimento econômico".

    Mas, relata o jornal, com os aumentos nos preços dos alimentos e com a crença de que o consumo elevado continuará a pressionar, o Banco Central já advertiu que um novo aumento nas taxas poderá ser necessário. "Esta pode ser a semana para isso", diz o texto.

    Consenso
    Apesar disso, observa o FT, "há um crescente consenso entre os economistas de que o Banco Central está se preocupando demais com um possível superaquecimento e a resultante pressão inflacionária".

    "O Brasil está próximo do topo do ciclo econômico. Seja o que for que o governo diga sobre sustentabilidade, as condições não estão dadas para um crescimento sólido e duradouro e não estarão dadas ao menos que o governo promova algumas reformas difíceis em áreas como gastos públicos, tributações e leis trabalhistas", diz o jornal.

    A análise observa ainda que as crescentes importações, a redução nas exportações e um aumento nas remessas por empresas estrangeiras resultaram num crescente déficit em conta corrente após anos de superávits.

    "Até agora, isto tem sido coberto por investimentos externos diretos e pelo fluxo de investimento de portfólio. Mas eles são vulneráveis à volatilidade dos mercados internacionais - dificilmente algo a se descartar", comenta o texto.

    Para o FT, "as autoridades brasileiras deveriam se preparar para uma desaceleração na economia".

      Leia tudo sobre: juros

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG