Os grandes países emergentes reunidos no G5 conseguiram nesta quarta-feira ampliar sua participação na próxima reunião de cúpula dos oito países mais ricos que será realizada em 2009 na Sardenha, Itália, anunciaram Brasil e Itália.

O primeiro dia da reunião do Grupo dos Oito (G8) na Sardenha será dedicado ao clube integrado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Grã-Bretanha, Japão e Rússia, e o segundo ao G8 mais o G5, que reúne Brasil, México, China, Índia e África do Sul, disse o chefe do governo italiano, Silvio Berlusconi.

No terceiro dia, o G8 debaterá as mudanças climáticas com o G5 e os outros três países que integram o MEM (Major Economies Meeting: Austrália, Indonésia e Coréia do Sul). Esses 16 países são responsáveis por 80% das emissões poluentes do mundo.

Depois, os 16 se reunirão com os países africanos, acrescentou Belusconi.

Na reunião de Toyako (Japão), que terminou nesta quarta-feira, o G5 teve apenas uma reunião de uma hora com o clube dos líderes mais poderosos do planeta.

"Esta é uma evolução extremamente importante e vários presidentes já estão defendendo a idéia de que é preciso haver um bloco para discutir as coisas de maneira conjunta", disse o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva à imprensa após ter se reunido com Berlusconi.

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, que também esteve presente em uma sessão ampliada do G8, considerou que ampliar o G8 para outros países é "certamente uma boa idéia".

"Não sei quando, mas no futuro o G8 será ampliado", concluiu.

Grã-Bretanha e França apóiam a ampliação do G8 para os principais países emergentes, mas Estados Unidos, Japão e Rússia se opõem.

lbc/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.