Brasil e 21 países fecham acordo para reduzir tarifas

O Brasil e outros 21 países emergentes fecharam um acordo nesta quarta-feira para cortar em pelo menos 20% as tarifas comerciais em produtos negociados entre si. O anúncio foi feito por ministros dos países que estão reunidos na Organização Mundial do Comércio (OMC), na Suíça.

BBC Brasil |

De acordo com o que foi acertado, os países concordaram em cortar as tarifas que recaem em pelo menos 70% dos produtos que compram de outros no grupo. Os signatários precisarão negociar entre si o volume exato das reduções e definir quais serão os itens afetados até o final de setembro de 2010, e ainda não há prazo para que os cortes de tarifas entrem em vigor.

Os países que fecharam o acordo são os do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai), mais Argélia, Chile, Cuba, Egito, Índia, Irã, Indonésia, Malásia, México, Marrocos, Nigéria, Paquistão, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Sri Lanka, Tailândia, Vietnã e Zimbábue.

'Inspiração'
Segundo os ministros dos países envolvidos, a medida foi tomada para estimular o comércio entre países em desenvolvimento e mostrar que essas nações estão dispostas a fazer cortes.

"O acordo inspirará iniciativas similares e complementares que contribuirão para impulsionar a prosperidade econômica e social dos países em desenvolvimento", diz uma nota do Itamaraty.

O Ministério das Relações Exteriores diz que os 22 países respondem por 13% do PIB mundial - ou cerca de US$ 8 trilhões - 15% do comércio internacional e cerca de 38% da população mundial.

"O acordo Sul-Sul hoje alcançado criará novas oportunidades de acesso a mercados para uma ampla gama de produtos exportados de países situados na África, Ásia e América Latina. Os elementos básicos do acordo incluem corte de pelo menos 20% nas tarifas aplicadas sobre, no mínimo, 70% dos produtos", diz a nota.

"As modalidades preveem ainda que, em 2010, países participantes iniciarão negociações bilaterais e/ou plurilaterais com vistas a avançar ainda mais na liberalização do comércio entre si."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG