Brasil decide continuar buscas de restos de avião da Air France

Rio de Janeiro, 17 jun (EFE).- A Marinha e a Força Aérea Brasileira (FAB) decidiram hoje continuar as buscas de vítimas e destroços do Airbus A330, da Air France, que caiu no Atlântico com 228 pessoas a bordo há 17 dias, quando fazia a rota entre Rio de Janeiro e Paris.

EFE |

A decisão foi anunciada em uma "rápida" ligação telefônica entre os responsáveis da Marinha e da Força Aérea, segundo detalhou o tenente-coronel Henry Munhoz, porta-voz da FAB, em entrevista coletiva, em Recife.

A cada dois dias a partir de hoje, os militares voltarão a analisar se continuam as buscas em reuniões presenciais em Recife, onde o comando da operação foi instalado.

Até agora, partes do que poderia ser um corpo humano foi o mais importante achado da operação de hoje, encontrado pelo navio anfíbio francês "Mistral", embora, por seu avançado estado de decomposição, não possa ser confirmado à simples vista.

"O que recolhemos na quinta-feira, pôde ser identificado como um corpo, por isso divulgamos a informação. Mas o que achamos hoje terá que ser analisado primeiro pela Polícia Federal, em Recife", assegurou Munhoz.

Se a confirmação for feita, o total de corpos regatados subirá para 51.

Os primeiros 49 corpos já foram transportados para o Instituto Médico Legal (IML) do Recife, que se encarrega das autópsias e conclusão das identificações, que já duram oito dias desde o início dos resgates.

O último corpo permanece no posto avançado da ilha de Fernando de Noronha, a cerca de 1.300 quilômetros ao sul do lugar da tragédia.

Não há previsão de data para a chegada dos restos mortais ao porto, segundo o porta-voz militar.

Sexta-feira chegará a Recife a corveta brasileira "Caboclo", que leva uma quantidade "significativa" de restos do avião, que, até agora, são a única fonte para averiguar as causas e as circunstâncias do acidente, já que ainda não foi possível localizar a caixa-preta.

Os restos mortais serão entregues aos responsáveis da comissão de investigação da França, encarregados de analisar as causas do acidente.

Com a evolução das buscas, que dão cada vez menos resultados, os militares anunciaram que amanhã concederão sua última entrevista coletiva diária programada.

A partir daí, as informações das atividades de busca serão divulgadas em notas de imprensa e as coletivas só serão convocadas caso haja alguma notícia relevante. EFE mp/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG