Guatemala, 1 jun (EFE).- O Governo brasileiro vai construir na Guatemala um centro de formação profissional de aprendizagem industrial e um de educação alimentícia, como parte dos acordos de cooperação bilateral assinados hoje entre os governantes dos dois países.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu colega guatemalteco, Álvaro Colom, assinaram os acordos ao término de uma reunião de trabalho realizada no Palácio Nacional da Cultura.

Lula iniciou hoje uma visita de 24 horas à Guatemala como parte de uma viagem que realiza pela região centro-americana.

O giro começou ontem em El Salvador, onde assistiu à posse do presidente Mauricio Funes, e termina entre amanhã e a quarta-feira na Costa Rica.

A declaração final de Lula e Colom destacou que o Brasil vai transferir ao Governo da Guatemala "o modelo de implantação dos centros de formação profissional desenvolvidos pelo Senai, assim como capacitar instrutores e gerentes que atuarão no centro".

Além disso, vai desenvolver um projeto denominado "Cozinha Brasil-Guatemala", por meio do qual "transferirá metodologia de execução de cursos de educação alimentícia, com ênfase no aumento do conteúdo nutricional dos alimentos consumidos na Guatemala, especialmente para a população de baixa renda".

Estes programas fortalecerão as linhas de cooperação que o Brasil mantém com este país centro-americano há quatro anos para combater a pobreza, que atinge 51% dos 13,3 milhões de guatemaltecos.

Os governantes também manifestaram seu compromisso de "combater e prevenir a propagação da epidemia de gripe suína".

Fontes da Presidência guatemalteca asseguraram à Agência Efe que, durante o encontro, Lula e Colom conversaram sobre a próxima venda de seis aviões do modelo Super Tucano, da Embraer, à Guatemala, mas não revelaram os detalhes da negociação.

Durante o encontro, Colom reiterou a Lula o convite para que empresas brasileiras participem das próximas licitações de novas áreas para a prospecção e exploração de petróleo e gás, em terra e mar da Guatemala.

Também lhe reiterou seu interesse "de que empresas brasileiras participem, com o apoio do Governo do Brasil, dos projetos hidrelétricos para a mudança da matriz energética da Guatemala, incluindo a possibilidade de financiamento".

Lula respondeu de forma positiva aos dois requerimentos.

Por "questões de agenda", segundo fontes da Chancelaria guatemalteca, os líderes cancelaram uma entrevista coletiva conjunta que tinham programado para o término de sua reunião.

Na terça-feira, Lula deve se reunir com o prefeito da Cidade da Guatemala, Álvaro Arzú, e depois assistir a dois dos programas de combate à pobreza executados pelo Governo de Colom na capital guatemalteca.

Os dois governantes almoçarão em um "refeitório solidário", um dos projetos guatemaltecos que beneficia milhares de trabalhadores e da população pobre, inspirado por programas similares do Governo.

EFE ca/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.