Segundo Itamaraty, funcionários do corpo diplomático do Brasil prestam apoio à família da vítima e solicitam esclarecimentos

As autoridades do Brasil pediram explicações ao governo da Austrália sobre a morte do brasileiro Roberto Laudisio Curti , 21 anos, que morreu depois de ser atingido por uma arma taser , que dispara cargas elétricas. As explicações sobre a morte do jovem brasileiro foram demandadas pelo Ministério das Relações Exteriores brasileiro, Itamaraty, nesta terça-feira.

Amigos postaram no Facebook fotos com Roberto Laudisio (D), morto por policiais em Sydney, Austrália
Reprodução/ Facebook
Amigos postaram no Facebook fotos com Roberto Laudisio (D), morto por policiais em Sydney, Austrália
Em nota à imprensa, o Itamaraty informou que funcionários da Embaixada do Brasil na Austrália e do Consulado-Geral do Brasil em Sydney receberam instruções para obter os esclarecimentos.

Na Austrália: Família reconhece corpo de brasileiro morto pela polícia

“O governo brasileiro deplora a notícia da morte de cidadão brasileiro em circunstâncias ainda não esclarecidas durante operação policial em Sidney, na Austrália. O Consulado-Geral do Brasil em Sidney e a Embaixada do Brasil em Camberra foram instruídos a prestar toda a solidariedade e o apoio à família da vítima, bem como a solicitar os devidos esclarecimentos às autoridades australianas a respeito do ocorrido”, diz o comunicado.

De acordo com o jornal Sydney Morning Herald, a polícia tentou prender o brasileiro por acreditar que ele era um suspeito de ter roubado um pacote de biscoitos de uma loja de conveniência cerca de meia hora antes. O jovem teria resistido à prisão, corrido e sido perseguido por policiais. Testemunhas indicaram que a vítima não tinha nada nas mãos e estava desarmada.

De acordo com as versões, o jovem recebeu entre três e seis disparos de taser, pistolas que causam descargas elétricas de 400 volts e são usadas pelas forças de segurança em países como Austrália, Reino Unido e os Estados Unidos para deter agressores em situações que não justificam o uso de armas de fogo.

Saiba mais: Ouvidor vai acompanhar investigação sobre morte de brasileiro

Imagens de câmeras de segurança foram divulgadas na segunda-feira mostrando policiais agarrando um homem na rua. Ele consegue se libertar dos policiais e fugir, mas então é perseguido e um dos policiais parece apontar uma arma de taser contra ele.

Segundo o Sydney Morning Herald, o brasileiro teria gritado por socorro enquanto um policial disparou a arma de taser contra suas costas. Quando ele caiu no chão, os policiais pularam em cima do jovem, que já tremia devido à descarga elétrica da arma.

Planos

Segundo o Itamaraty, Laudisio estava há menos de um ano em Sydney, onde estudava inglês e vivia com amigos. Ele pretendia fazer faculdade no país. Na cidade também morava uma de suas irmãs, que é casada com cidadão australiano.

O cônsul-geral do Brasil na Austrália, Américo Fontenelle, acompanha pessoalmente as investigações e a assistência prestada à família de Curti, segundo o Itamaraty. As duas irmãs de Curti estão na Austrália e acompanham todo o processo, de acordo com diplomatas.

Polícia australiana faz perícia no local da morte do brasileiro
EFE
Polícia australiana faz perícia no local da morte do brasileiro

Nesta terça-feira, parentes reconheceram o corpo do brasileiro. De acordo com o Itamaraty, o consulado brasileiro no país recebeu em Sydney a família de Laudisio, que viajou do Brasil para a Austrália para reconhecer o corpo. A confimação de que a vítima era o brasileiro foi recebida pelo Ministério das Relações Exteriores por volta das 7h (horário de Brasília).

*Com EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.