Nova Délhi, 29 jul (EFE).- O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que está em visita oficial a Nova Délhi, disse hoje que o Brasil está buscando empresas indianas para produzir medicamentos genéricos em território brasileiro.

Em entrevista à Agência Efe, Temporão disse que um dos objetivos marcados pelo Governo brasileiro é atenuar a "dependência" da importação de tecnologia farmacoquímica, e para isso o Ministério da Saúde está projetando várias estratégias.

"A Índia é o país com maior capacidade para produzir genéricos" de qualidade, disse Temporão.

Assim, o Brasil buscará oferecer "joint-ventures" para que empresas indianas se instalem em território brasileiro e trabalhem na produção de genéricos, o que beneficiaria também estas companhias, já que o país é "o 10º maior mercado do mundo", lembrou o ministro.

Temporão, que disse que 30% da tecnologia importada pelo Brasil neste setor vêm da China e da Índia, apostou também em desenvolver junto com os indianos "novas tecnologias" para tratar a malária e outras doenças.

Embora a Índia seja conhecida como a "grande farmácia do mundo em desenvolvimento", devido a sua produção de genéricos, nos últimos anos também floresceu o setor da biotecnologia e pesquisa no âmbito farmacêutico.

O ministro brasileiro, que se reuniu nesta segunda-feira com o ministro da Saúde indiano, Anbumani Ramadoss, disse também que os dois países têm a intenção de estreitar seus laços na "luta contra o fumo, o álcool e em programas de atendimento primário".

Temporão disse que é a primeira vez que um ministro da Saúde brasileiro organiza uma visita para discutir questões relacionadas ao setor farmacêutico, e defendeu dar um "enfoque prioritário" às áreas de "desenvolvimento e saúde".

O ministro está acompanhado de uma delegação com membros do BNDES, da Fundação Oswaldo Cruz e representantes do campo biomédico e da indústria farmacêutica.

Além disso, Temporão manteve hoje um encontro trilateral junto com Ramadoss e a ministra da Saúde sul-africana, Manto Tshabalala-Msimang, no qual buscaram "estabelecer uma sintonia maior" na regulação de remédios e reforçar a vigilância de epidemias em seus respectivos países, segundo o ministro.

A visita de Temporão terminará amanhã com encontros com empresários indianos do setor farmacêutico.

Brasil, Índia e África do Sul fazem parte do grupo Ibas, que realizará uma reunião em outubro, em Nova Délhi, com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que já visitou a Índia no ano passado.

As boas relações entre Brasil e a Índia abrangem um amplo leque de setores - da medicina à alimentação -, e os dois países têm interesses comuns na esfera internacional, como, por exemplo, no Conselho de Segurança da ONU, onde buscam ter assento permanente, e nas negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC). EFE amp/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.