Brasil analisa ameaças da oposição boliviana contra fornecimento de gás

Brasília, 4 set (EFE) - O Brasil estudará de maneira séria as ameaças de grupos opositores bolivianos ao fornecimento de gás ao país e à Argentina, feitas no marco dos protestos contra o Governo de Evo Morales, declarou hoje o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.

EFE |

"Temos que saber o grau de seriedade destas ameaças", mas "devemos tratá-las de maneira séria", disse aos jornalistas o ministro.

Amorim explicou que entrará em contato com a embaixada brasileira em La Paz para conhecer a situação e analisar "como o Governo boliviano pode garantir a integridade" do gasoduto que abastece tanto o Brasil quanto a Argentina.

O chanceler lembrou que "no passado já houve ameaças similares e foram resolvidas" e disse que, se for necessário, está disposto a "ter contato" com os Governos regionais bolivianos.

Em nota divulgada na véspera, governadores regionais e dirigentes cívicos opositores de cinco regiões bolivianas ameaçaram estender os bloqueios de estradas e também adotar ações para impedir as exportações de gás, que têm seus principais mercados no Brasil e na Argentina.

Os líderes de Santa Cruz, Beni, Pando, Tarija e Chuquisaca exigem que Morales restitua a essas cinco regiões a receita petrolífera que o Governo nacional tirou das mesmas em janeiro para o pagamento de um bônus de ajuda aos maiores de 60 anos.

Além disso, anunciaram que impedirão em seus territórios o referendo sobre a nova Constituição convocado para dezembro pelo Governo de Evo Morales. EFE ed/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG