Brasil afirma que existe um consenso em favor das políticas de estímulo

Washington, 15 nov (EFE).- O ministro da Fazenda Guido Mantega disse hoje que os membros do Grupo dos Vinte (G20, que reúne os países mais ricos e os principais emergentes) concordaram em aplicar estímulos econômicos, embora não quis dizer se as taxas de juros deveriam cair no Brasil.

EFE |

"Existe unanimidade em que todos devemos aplicar políticas para impedir a desaceleração" econômica, disse Mantega em entrevista coletiva após a Cúpula de Chefes de Estado e de Governo do G20, em Washington, presidida pelo Brasil.

Mantega destacou a necessidade de "sincronizar" as medidas de estímulo para que tenham maior efeito, mas evitou falar da política monetária brasileira.

O ministro admitiu, mesmo assim, que o custo financeiro é muito alto, o que se reflete nos altos juros dos créditos ao consumo, e disse que seu Governo vai fazer um esforço para reduzi-lo.

"Em parte é falta de confiança, por isso que a recuperação da confiança no sistema é muito importante", disse Mantega, explicando que os bancos têm medo de emprestar em vista da deterioração da economia.

No entanto, afirmou que no Brasil as linhas de crédito já começaram a ser restabelecidas.

Em seu comunicado final, os membros do G20 se comprometeram a estimular a demanda interna com medidas orçamentárias e monetárias.

Para Mantega a reunião de hoje do G20 foi importante ao haver reunido os chefes de Estado e de Governo e segundo sua opinião consagrou o grupo como "o fórum adequado" para enfrentar a crise.

"O G20 é mais eficaz porque as soluções têm que ser de todos, não só dos países avançados", disse.

Mantega assinalou que elevar o G20 ao nível de chefes de Estado e de Governo tinha sido um objetivo do Brasil.

Também destacou que em seu comunicado final, o Grupo pediu a ampliação "urgente" do Fórum de Estabilidade Financeira, que promove o bom funcionamento dos mercados, com a entrada de países emergentes.

Atualmente, são membros do fórum países ricos, além de Hong Kong e Cingapura. EFE cma/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG