Brasil admite risco de ato terrorista por Olimpíadas, indica site

Em documento vazado por WikiLeaks, encarregada de negócios diz que Brasil quer cooperação dos EUA em segurança da Copa e dos Jogos

AFP |

O governo brasileiro pediu mais cooperação na área de segurança aos Estados Unidos por causa dos da Copa do Mundo-2014 e dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro-2016, segundo telegramas diplomáticos vazados pelo site WikiLeaks e publicados pelo jornal El País.

"O governo do Brasil percebe que enfrenta desafios fundamentais com a preparação dos Jogos, e tem demonstrado muito mais abertura em áreas como a cooperação e o intercâmbio de informação com os EUA", escreveu em dezembro de 2009 a encarregada de negócios Lisa Kubiske, que afirmou que "Brasília chegou ao ponto de admitir a possibilidade de ameaças terroristas".

A então encarregada de negócios da embaixada americana cita a diretora de Intercâmbio e Cooperação Esportiva do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Vera Alvarez, que teria "admitido que os terroristas poderiam ter o Brasil como alvo em consequência dos Jogos Olímpicos, uma declaração incomum de um governo que oficialmente pensa que não há terrorismo no Brasil".

O chefe de Gabinete de Segurança Institucional, Jorge Félix, reuniu-se em 9 de fevereiro com o embaixador dos Estados Unidos, Thomas Shannon, para demonstrar o desejo do Brasil de "compartilhar tarefas de inteligência", segundo os documentos publicados pelo El País.

Félix disse que o "Brasil fará da troca de informações entre os países participantes nos eventos uma prioridade", escreveu o embaixador Shannon, em referência aos Jogos Olímpicos de 2016 e ao Mundial de 2014, mas também aos Jogos Militares de 2011 e à Copa das Confederações de 2013.

"'Precisamos muito da cooperação com os EUA e outros participantes nos Jogos' para garantir eventos de sucesso e seguros", declarou Félix a Shannon, que destacou aspas na primeira parte da frase. O Brasil aposta alto nos Jogos Olímpicos e na Copa do Mundo para reforçar sua imagem como ator global, destacou Kubiske em 2009.

"O governo quer utilizar o fato de que será sede dos Jogos Olímpicos para ampliar sua imagem como líder da América do Sul e como ator global emergente no exterior, enquanto internamente a decisão do Comitê Olímpico Internacional é apresentada como um respaldo à administração do presidente Lula", concluiu Kubiske.

    Leia tudo sobre: euawikileaksbrasildocumentos diplomáticos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG