A companhia British Petroleum (BP) reiniciou as operações com dispersantes no Golfo do México para tentar minimizar os efeitos do derramamento de petróleo, apesar dos riscos para o meioambiente do uso destes produtos químicos." /

A companhia British Petroleum (BP) reiniciou as operações com dispersantes no Golfo do México para tentar minimizar os efeitos do derramamento de petróleo, apesar dos riscos para o meioambiente do uso destes produtos químicos." /

BP lança dispersante e prepara nova ação contra vazamento

A companhia British Petroleum (BP) reiniciou as operações com dispersantes no Golfo do México para tentar minimizar os efeitos do derramamento de petróleo, apesar dos riscos para o meioambiente do uso destes produtos químicos.

AFP |

A companhia British Petroleum (BP) reiniciou as operações com dispersantes no Golfo do México para tentar minimizar os efeitos do derramamento de petróleo, apesar dos riscos para o meioambiente do uso destes produtos químicos.

Tanto autoridades federais quanto estaduais "consentiram num terceiro teste com o dispersante subaquático", informou o porta-voz da BP, John Curry. O teste "prosseguirá por 24 horas, depois do que haverá uma nova avaliação", acrescentou.

O lançamento será efetuado através de um tubo longo, por submarinos-robôs de controle remoto diretamente no local do vazamento.

A expectativa é a de que o dispersante quebre a composição do óleo e que, com o passar do tempo, a mancha flutuante se dilua em partículas menores, biodegradáveis, em vez de permanecerem como manchas densas, espessas, que sufocam a vida selvagem e a vegetação.

Os críticos da medida sustentam que o produto pode provocar muitos problemas uma vez dissolvido, no fundo do mar, afetando a vida de microorganismos.

A Universidade do Estado de Louisiana estudará as águas profundas e as da superfície para monitorar seu impacto.

Simultaneamente, a administradora da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, Lisa Jackson, viajou à zona do desastre para "observar o esforço realizado para mitigar o impacto ambiental e humano do vazamento de óleo da plataforma da BP".

Nesta segunda-feira, a Casa Branca decidiu dar carta branca e acompanhar de perto o trabalho da BP para conter o vazamento. A situação no Golfo começa a afetar a agenda política e energética do presidente Barack Obama.

Ambientalistas, criadores de camarões e pescadores temem que o dispersante acabe com os peixes e outros organismos constantes da cadeia alimentar.

"Como criadores de camarões, vivemos do mar e lutamos para preservar o delicado equilíbrio do oceano", informou John Williams, diretor executivo de The Southern Shrimp Alliance, grupo representante da indústria.

Depois do fracasso da colocação da cúpula gigante para deter o derramamento, a BP corria contra o tempo em busca de novas opções para enfrentar o desastre.

Entre as opções, os especialistas analisam obstruir o ponto de vazamento com materiais diversos, como pneus velhos e outros detritos; ou instalar uma válvula inteiramente nova.

Nesta segunda, o diretor executivo da BP, Tony Howard, informou que planeja baixar, "nas próximas 72 horas", uma espécie de caixa de contenção menor que a cúpula gigante, para atuar como um "chapéu" no ponto de vazamento de óleo.

A plataforma Deepwater Horizon, administrada pela BP, naufragou no dia 22 de abril passado, dois dias depois de uma explosão que matou 11 pessoas.

A tubulação que era conectada à plataforma a partir da cabeça do poço está fraturada no fundo do oceano, a mais de uma milha da superfície, lançando petróleo a um ritmo de 5.000 barris, ou 800.000 litros, por dia.

A mancha de óleo no mar chegou ao litoral da Lousiana e ameaça o Alabama.

A vida marinha está sendo afetada numa região de terras baixas que contêm zonas vitais de desova para peixes, camarões e caranguejos, além de consistirem em parada importante para muitas espécies migratórias de aves raras.

A BP tentou conter o derramamento com uma gigantesca cúpula de metal de 98 toneladas, mas a tentativa fracassou.

Teme-se que a mancha, que cobre área de cerca de 2.000 milhas de perímetro (5.200 quilômetros quadrados), possa chegar à península da Flórida arrastada por uma corrente do Golfo.

ag/sd/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG