Bombardeiros russos que estão na Venezuela retornarão a suas bases em outubro

Moscou, 11 set (EFE).- Os dois bombardeiros supersônicos russos TU-160 que aterrissaram nesta quarta em um aeroporto da Venezuela retornarão a suas bases no dia 15 de outubro, informou hoje a Força Aérea Russa.

EFE |

Enquanto isto, os TU-160 efetuarão manobras de vôo em águas internacionais do Oceano Atlântico e do Caribe, segundo Vladimir Drik, porta-voz da Força Aérea Russa citado pela agência "Interfax".

Os bombardeiros aterrissaram ontem na Base Aérea El Libertador, após atravessarem o Oceano Atlântico em 13 horas, travessia durante a qual foram escoltados por caças russos Su-27 e, durante certo tempo, vigiados por aviões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

A aviação estratégica russa realiza "com regularidade" vôos sobre águas internacionais nos Oceanos Atlântico, Pacífico e Glacial Ártico, além do Mar Negro.

Em meados de agosto de 2007, a Rússia retomou os vôos de seus aviões estratégicos em zonas patrulhadas por Estados Unidos e Otan, operações que estavam suspensas desde 1992.

O TU-160 é capaz de carregar 12 mísseis de cruzeiro com ogivas nucleares ou convencionais e 40 toneladas de bombas.

No entanto, Drik explicou hoje que "não havia armas nucleares a bordo destes aviões".

Na segunda-feira, a Rússia também anunciou o envio de uma esquadra naval ao Caribe para participar de manobras conjuntas com a Marinha da Venezuela em águas do Atlântico.

Nas manobras, participarão o cruzador nuclear Piotr Veliki (Pedro, o Grande) e a fragata anti-submarina Admiral Chabanenko, além de um navio de salvamento e um navio-cisterna. EFE io/wr/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG