ISLAMABAD - Um bombardeio aéreo da Otan sobre uma remota localidade do Afeganistão matou seis civis, inclusive crianças, disseram autoridades afegãs nesta segunda-feira, embora forças ocidentais tenham dito que seu alvo eram militantes.

As vítimas civis provocadas pela caçada das tropas estrangeiras aos militantes do Taliban se tornaram uma grave causa de atritos entre o governo afegão e seus apoiadores ocidentais, além de afetar a simpatia popular à presença das tropas no país.

Em alguns casos, as forças estrangeiras inicialmente contestam a existência de vítimas civis, para em seguida recuarem e pedirem desculpas.

O ataque realizado durante a noite atingiu um distrito remoto da província de Kunar, que faz fronteira com o Paquistão. Seu terreno montanhoso e arborizado faz do lugar um refúgio perfeito para insurgentes.

"Quatro a seis insurgentes com armas foram identificados quando os abordamos", disse à Reuters um porta-voz da Isaf (força da Otan no país). "Estamos enviando um comandante da área para conversar com os moradores a respeito das afirmações de baixas civis."

O chefe de política local, Mirza Mohammad, disse que todos os seis mortos eram civis -- inclusive uma menina de 3 anos, um garoto de 10 e uma mulher de 40.

Outras 16 pessoas, sendo 9 crianças (inclusive um bebê de 1 ano), ficaram feridas, e três casas foram destruídas, disse o policial.

"Estávamos jantando quando o ataque aconteceu", disse à Reuters por telefone um morador chamado Ezatuallah, confirmando que todos os mortos eram civis.

O governador regional, Fazlulllah Wahidi, disse à Reuters que estava "ciente do bombardeio e martírio e ferimentos a civis".

Na semana passada, um bombardeio norte-americano matou cinco pessoas na província de Khost (sudeste), inclusive um bebê de uma semana. As forças dos EUA inicialmente anunciaram a morte de quatro rebeldes, mas depois admitiram que os mortos eram civis que tentavam defender sua casa.

O governo e entidades de direitos humanos dizem que centenas de civis foram mortos por forças estrangeiras no ano passado, refletindo o aumento da violência no Afeganistão. Os EUA e a Otan alegam que as ações dos rebeldes matam mais civis que os bombardeios ocidentais.

Também na segunda-feira, dois guardas afegãos de uma construtora foram mortos por uma bomba deixada em um acostamento, na província de Khost, segundo uma autoridade regional.

Leia mais sobre Afeganistão

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.