Bombardeio mata 12 guerrilheiros na Colômbia

BOGOTÁ (Reuters) - Doze integrantes de uma coluna rebelde responsável pelo sequestro e assassinato de um governador, entre outros crimes, morreram na quarta-feira num bombardeio realizado pelas Forças Armadas da Colômbia na selva do sul do país, segundo o governo. Desde o início do ano, a guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) já perdeu mais de cem combatentes em ações militares.

Reuters |

O alvo do ataque foi um acampamento com capacidade para cerca de cem guerrilheiros da Coluna Teófilo Forero, na zona rural do município de Puerto Rico, Departamento de Caquetá.

"Quero lhes anunciar que na madrugada de hoje tivemos uma operação muito bem sucedida contra a Teófilo Forero, temos já registradas 12 baixas do narcoterrorismo (...), foi uma operação combinada com a Força Aérea", disse a jornalistas o ministro da Defesa, Gabriel Silva.

"É um resultado muito importante, porque como se sabe a Teófilo Forero é o bando mais criminoso, mais terrorista, mais violento que as Farc têm", acrescentou Silva.

Em dezembro, essa coluna sequestrou e depois matou o governador de Caquetá, Luis Francisco Cuéllar, e nos últimos anos realizou ações espetaculares, como o sequestro em massa de políticos e seus familiares no sudoeste do país.

A coluna Teóflio Forero opera em uma ampla zona dos Departamentos de Caquetá e de Huila. No final de outubro, seu subcomandante Hermer Triana, ou "James Patamala", foi morto num ataque da polícia de Caquetá.

Triana era acusado de planejar e financiar um ataque com explosivos contra um clube de Bogotá, em fevereiro de 2003, que deixou 39 mortos e mais de cem feridos.

As Farc existem há mais de 45 anos e fazem parte da mais antiga guerra civil da América Latina. O governo e os EUA acusam a guerrilha de ligação com o narcotráfico.

Com apoio dos EUA, o governo de Álvaro Uribe realiza desde 2002 uma ofensiva que já levou à morte de importantes comandantes da guerrilha, enquanto milhares de outros combatentes irregulares desertaram, abalando a capacidade militar do grupo.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG