Bombardeio dos EUA no Afeganistão teria matado 95 menores de idade

Cabul, 13 mai (EFE).- Pelo menos 95 dos 140 civis mortos no bombardeio da aviação americana registrado na semana passada na província afegã de Farah eram menores de idade, informou hoje à Agência Efe uma fonte do Parlamento do país.

EFE |

O parlamentar Nahim Khan Farahi, da Câmara Baixa do Parlamento afegão, explicou também que 65 das vítimas fatais eram do sexo feminino, das mais variadas idades.

Farahi baseou sua afirmação nas conclusões de uma investigação conduzida pelo Governo afegão e que ainda não foi divulgada.

Caso as informações divulgadas pelo parlamentar se confirmem, a ofensiva americana da semana passada será a que matou mais civis desde a queda do regime talibã, em 2001.

No último dia 4, a coalizão antiterrorista liderada pelos EUA no Afeganistão realizou uma ofensiva aérea com o objetivo de eliminar os talibãs que tinham consolidado suas posições na região de Bala Buluk.

No sábado, o comando militar americano admitiu a morte de um número indeterminado de civis durante essa operação. Segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), o bombardeio deixou "dúzias" de mortos.

Em comunicado, o comando americano informou que a investigação efetuada em conjunto com militares afegãos não permitia "determinar com certeza quantas das vítimas eram talibãs e quantas eram não combatentes porque os falecidos estão todos enterrados".

De acordo com esta versão, os moradores da área se refugiaram em seus lares durante a ofensiva, mas os insurgentes tomaram as residências pela força e atacaram as tropas de dentro de casas, algumas das quais ficaram completamente destruídas pelos bombardeios.

Em 2008, 2.118 civis morreram por causa do conflito afegão, sendo 55% deles em ataques talibãs e 39% em ações das tropas afegãs e internacionais, segundo dados da missão da ONU no país. EFE lo-mb/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG