Bombardeio da Força Aérea colombiana mata 17 rebeldes das Farc

(atualiza número de guerrilheiros mortos). Bogotá, 3 ago (EFE).- Pelo menos 17 guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) morreram e outros dois ficaram feridos em um bombardeio de militares colombianos a um acampamento rebelde situado entre os municípios de Vistahermosa e Puerto Rico, no departamento de Meta, sul do país.

EFE |

Um porta-voz do Ministério da Defesa confirmou que o ataque foi contra um acampamento da frente 27 das Farc, no qual havia 200 guerrilheiros.

Esta frente está encarregada da logística, finanças e segurança do bloco leste da guerrilha.

Na região bombardeada, a Força de Tarefa Conjunta Omega, com participação direta da Força Aérea, desenvolve várias operações para localizar os principais chefes das Farc, entre eles "Efrén Arboleda", líder da frente 27 do grupo.

"Os combates aconteceram quando as tropas localizaram um acampamento da frente 27 das Farc, na área geral de Caño Correntoso, localizado entre Puerto Rico e Vistahermosa (Meta)", afirmou o comando das Forças Militares.

Devido ao mau tempo na região os dois rebeldes feridos não puderam ser removidos.

O comandante das Forças Militares, general Freddy Padilla, convidou os membros das Farc a entregar as armas e a se acolher aos benefícios oferecidos pelo programa de desmobilização do Governo.

Ele também pediu às tropas que continuem "o ímpeto combativo".

Fontes oficiais afirmaram hoje que o Exército e a Força Aérea desenvolvem ações conjuntas na região de Curillo, no departamento de Caquetá (sul), contra Wilson Peña Maje, conhecido como "Mojoso", líder da frente 49 das Farc.

As tropas colombianas apertaram o cerco, por terra e ar, contra o chefe militar da guerrilha, conhecido como "Mono Jojoy", em uma região dos departamentos selváticos de Meta, Guaviare e Caquetá.

O general Javier Flórez, comandante da chamada Força de Tarefa Conjunta Omega, explicou há poucos dias que os bombardeios e combates das últimas semanas em diferentes zonas de Llanos Orientales, centro-oeste, causaram pelo menos 40 baixas entre membros da guerrilha. EFE fer/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG