Um hospital do bairro de Sadr City, na capital iraquiana, bastião do líder radical xiita Moqtada Al-Sadr, foi atingido neste sábado por um ataque da aviação americana, que deixou pelo menos 20 feridos, segundo testemunhas e fontes médicas locais.

Entre as vítimas há mulheres e crianças, segundo as mesmas fontes.

O ataque, com vários mísseis, aconteceu às 10H00 horário local (07H00 GMT) e seu alvo era uma pequena casa adjacente ao prédio do hospital Al-Sadr, no centro do bairro, que funciona como área de repouso para as visitas dos pacientes, informaram testemunhas.

O bombardeio, confirmado pelo Exército americano, estilhaçou os vidros do prédio e destruiu pelo menos 17 ambulâncias do hospital, um dos três grandes centros de atendimento médico de Sadr City.

"Confirmamos a realização de um ataque em Sadr City nesta manhã (sábado). O objetivo eram elementos criminosos conhecidos. Estamos avaliando os danos", declarou à AFP um porta-voz militar dos Estados Unidos.

"Trata-se de uma agressão das tropas de ocupação. Os americanos vão dizer que era um esconderijo de armas, mas a verdade é que querem destruir a infraestrutura do país. Querem impedir que profissionais e medicamentos cheguem ao hospital", afirmou encolerizado o chefe do departamento de Saúde, Ali Bistan, à AFP.

"O edifício inteiro tremeu quando aconteceu a explosão", contou Zahra, uma jovem enfermeira. "Tive medo e pensei que ia morrer. Todo mundo teve medo. Mas o que mais me entristece são os equipamentos danificados pelo ataque", lamentou.

Desde o final de março, unidades americanas e iraquianas combatem o Exército de Mahdi, poderosa milícia xiita comandada por Moqtada Al-Sadr no bairro de Sadr City, na parte nordeste de Bagdá.

jds/ap

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.