Bomba fere vigilante no Chile

(atualiza com novo achado e declarações de Governo) Santiago do Chile, 16 jan (EFE).- Três bombas foram encontradas durante a madrugada de hoje contra supermercados da rede Cencosud em Santiago do Chile e um órgão estatal, e um segurança ficou ferido sem gravidade ao manipular um dos explosivos, informaram hoje fontes da Polícia.

EFE |

Duas das bombas foram encontradas em supermercados, um deles o Santa Isabel, no centro da capital chilena e outro, Jumbo, em Maipú, na zona sudoeste, informaram as fontes.

Nos dois supermercados, as bombas foram colocadas por desconhecidos nos fichários para clientes e consistiam em recipientes metálicos cheios com um material explosivo cuja natureza está sendo investigada, declarou a Polícia.

No supermercado Santa Isabel, a cerca de 10 quadras do Palácio de La Moneda, a bomba foi descoberta pelos seguranças do estabelecimento após o fechamento do local.

Um deles, identificado como Patrício Palma, de 18 anos, encontrou uma mochila e, ao manipulá-la, aconteceu a explosão, que o deixou com lesões leves e danos de pouca consideração no local, disse aos jornalistas o coronel do corpo de Carabineiros Miguel Ángel Castro.

Já no estabelecimento de Maipú, a bomba foi encontrada também pelos seguranças, mas neste caso informaram imediatamente a Polícia, o que permitiu que uma equipe impedisse sua explosão, disseram as autoridades da instituição.

Embora nenhum grupo tenha assumido as explosões, a Polícia acredita que as duas tenham autores comuns, pelas similitudes no procedimento e as características das bombas.

Horas depois, cerca de 140 pessoas deveram ser evacuadas de uma sede do Serviço Nacional de Menores (Sename), no bairro de Ñuñoa, após ser encontrado um pacote suspeito que a Polícia descobriu ser outra bomba.

O porta-voz do Governo, Francisco Vidal, exigiu dos fiscais e da Polícia que sejam mais eficazes na investigação destes casos e lembrou que nos últimos três anos houve mais de 60 atentados deste tipo, "sem que ninguém tenha sido detido". EFE ns/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG