Bolsas sobem na Europa e Ásia com socorro dos EUA

O anúncio de que o governo americano vai assumir o controle da firmas de hipoteca Freddie Mac e Fannie Mae injetou otimismo nos mercados asiático e europeu nesta segunda-feira. À exceção da China, onde a bolsa recuou por razões domésticas, as bolsas de Seul, Hong Kong e Tóquio fecharam em forte alta.

BBC Brasil |

Nas praças européias, os principais indicadores subiram mais de 3% no final da manhã.

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse que o socorro - anunciado no domingo, antes da abertura dos mercados - é necessário porque as empresas representam "um risco inaceitável" para a economia.

A mensagem do presidente americano foi interpretada por analistas como um indicativo da disposição de amparar o mercado imobiliário, epicentro da atual crise financeira.

Além disso, o socorro às firmas americanas reduziria a exposição do setor ao risco, crêem analistas. Por isso, as ações de bancos lideraram a recuperação.

Altas
A maior alta da Ásia foi em Seul, onde o índice Kospi subiu 5,15%, para 1.476,65 pontos. Em Hong Kong, o índice Hang Seng ganhou 4,32% para 20.794,27. Já o Nikkei 225 do Japão avançou 3,38%, para os 12.624,46 pontos.

A única grande exceção da Ásia foi a China, onde o mercado caiu por receios de que o país enfrenta uma desaceleração econômica. Em Xangai, o índice Composite caiu 2,68%, para 2.143,42 pontos.

O otimismo também contagiou os mercados europeus. Às 7h06 (horário de Brasília), o índice FTSE 100 da Bolsa de Londres subia 3,81% aos 5.440,20 pontos. Em Paris, o CAC 40 avançava 4,5% para 4.385,69. Já o DAX registrava alta de 3,24% para 6.325,72 pontos.

Como parte do plano de salvamento anunciado pelo governo americano, o gerenciamento da Freddie Mac e da Fannie Mae será substituído e as companhias terão acesso a financiamento extra para garantir que continuem em funcionamento.

Em julho, o Congresso americano aprovou um plano que dava ao governo a autoridade para oferecer liquidez ilimitada às duas empresas e para comprar suas ações com o objetivo de evitar sua falência.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG