Bolsas árabes despencam pelo quarto dia consecutivo

Os mercados de ações no Oriente Médio caíram mais uma vez nesta quarta-feira, o quarto dia consecutivo de queda nos países do Golfo. Calcula-se que, juntos, os sete mercados de ações do Golfo tenham perdido cerca de US$ 200 bilhões nesta semana.

BBC Brasil |

O maior mercado de ações da região, o saudita, fechou nesta quarta-feira com baixa de 1,5%, depois de chegar a cair mais de 8% e chegar ao menor nível desde julho de 2004, apesar de garantias do Banco Central do país de que a Arábia Saudita não enfrenta problemas de falta de liquidez.

A bolsa de Riad já acumula uma queda de 40% neste ano.

O governo do Kuwait, país onde está o segundo maior mercado árabe, tentou conter a queda com o anúncio de um corte na taxa de juros de 1,25 ponto percentual, a maior redução em anos. Mesmo assim, a bolsa da cidade do Kuwait caiu 1,4% nesta quarta-feira.

Queda geral
Analistas afirmam que medida semelhante adotada pelo governo israelense, a redução dos juros em 0,5 ponto percentual, ajudou a bolsa de Tel Aviv a fechar em alta de 3,9% na terça-feira. O pregão israelense não abriu nesta quarta por tratar-se de feriado em Tel Aviv.

O mercado de ações de Dubai fechou com queda de 8,4% nesta quarta-feira e já perdeu mais de um quarto de seu valor desde domingo, o primeiro dia em que esteve aberto nesta semana.

A Bolsa de Doha caiu 8,7 pontos, a maior queda no mercado financeiro do Catar em anos.

O lugar que parece ter sido o menos afetado na região é o Líbano. A Bolsa de Beirute fechou em baixa de apenas 1,1% nesta quarta-feira.

Egito
No Cairo, o índice da bolsa egípcia recuou 7,1% nesta quarta-feira, após ter fechado com queda de 16,4% na terça. O valor da bolsa do Cairo diminuiu em mais da metade nos últimos seis meses.

Por causa de feriados, a bolsa do país ficou fechada nos sete dias anteriores. Analistas avaliam que a medida protegeu o mercado de quedas ainda maiores.

"O Egito está acompanhando a tendência mundial", afirmou Wael Ziada, um dos diretores do banco de investimentos EFG-Hermes, à rede de televisão Al-Jazeera.

"É necessária alguma estabilidade nos mercados de países desenvolvidos antes que essa estabilidade se espalhe nas bolsas de países emergentes", acrescentou.

"A era dos ganhos e perdas financeiras fáceis está chegando ao fim", disse Ziada. "Estamos vivenciando a história e veremos mudanças dramáticas nos próximos tempos."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG