Operações com estrangeiros foram efetuadas em Santa Cruz e na região amazônica de Beni

Militares bolivianos ocuparam o controle de uma vasta zona limítrofe com o Brasil e detiveram cidadãos brasileiros que supostamente exploravam ilegalmente ouro, madeira e pedras preciosas.

De acordo com o diretor da Agência para o Desenvolvimento das Macro regiões, Juan Ramón Quintana, as operações foram efetuadas na quarta-feira em Santa Cruz e na região amazônica de Beni para "neutralizar" a exploração ilegal de ouro e "retomar" a soberania estatal na fronteira com o Brasil.

Ele explicou que cerca de mil militares intervieram em terras estaduais onde bolivianos e brasileiros traficavam madeira e combustíveis e causavam danos ambientais.

Extorsão

Segundo Quintana, os estrangeiros "extorquiram" alguns bolivianos para explorar suas terras e realizar atividades ilícitas. Ele acrescentou que as operações "serão permanentes" e que "fazem parte de uma estratégia global" do Governo de Evo Morales para "o estabelecimento da autoridade do Estado" nessa região.

Segundo o jornal de Santa Cruz El Deber, pelo menos 15 minas de ouro foram ocupadas e 40 pessoas, entre brasileiros e bolivianos, foram detidas.

A intervenção foi similar à realizada em julho na região limítrofe do rio Suches onde o Exército desalojou mineradores estrangeiros e deteve parte da maquinaria que operavam. O governo boliviano afirmou que a exploração ilegal de ouro nessa área representa para o Estado uma perda anual de US$ 150 milhões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.