Bolívia proíbe agentes da CIA em seu território

La Paz, 14 nov (EFE).- O Governo da Bolívia afirmou hoje que está proibida a presença de agentes da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) em seu território.

EFE |

O anúncio foi feito oficialmente duas semanas após a expulsão, sob acusação de espionagem, da agência antidrogas americana (DEA) -cujos equipamentos, como armas e veículos foram estatizados- e três depois de o presidente Evo Morales ter dito que também tinha a CIA "na mira".

"Não existe nenhuma norma que habilite a presença desses agentes no território nacional e verificar sua presença no país seria um gravíssimo atentado a nossa soberania", disse hoje em entrevista coletiva o vice-ministro boliviano de Coordenação com os Movimentos Sociais, Sacha Llorenti.

Segundo o vice-ministro, o Governo está investigando a presença no país de "agentes externos ou de bolivianos que sirvam a agentes externos".

"O Governo está decidido e não vai a dar um passo atrás", ressaltou.

As relações entre La Paz e Washington passam por um momento crítico já que, além disso, Morales expulsou em setembro o embaixador dos Estados Unidos, Philip Goldberg, acusando-o de conspirar contra seu Governo e de financiar seus opositores.

A administração de George W. Bush respondeu declarando também "persona non grata" o embaixador boliviano em Washington, Gustavo Guzmán.

Além disso, os Estados Unidos iniciaram um processo para deixar de fornecer à Bolívia os benefícios tarifários que concede aos países andinos para premiar seus esforços na luta contra o narcotráfico, ao considerar que o Governo boliviano não cumpre esses objetivos.

Diante da sanção americana, o ministro de Governo boliviano, Alfredo Rada, disse que "exige" a cooperação dos EUA contra o tráfico de entorpecentes -mesmo tendo expulsando sua agência antidrogas. EFE sam/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG