Bolívia passa a ter acesso ao mar pelo litoral peruano

Peru, Bolívia e Chile se envolveram no século 19 na Guerra do Pacífico, na qual o Chile tomou o acesso boliviano ao litoral

Reuters |

Bolívia e Peru encerraram na terça-feira anos de atritos políticos entre seus presidentes Evo Morales e Alan García com um acordo que dará aos bolivianos acesso ao oceano Pacífico.

O socialista Morales e o conservador García assinaram o acordo na terça-feira no porto de Ilo, ao sul do Peru, ampliando um convênio de 1992 com o qual o Peru cedia uma zona franca industrial e comercial à Bolívia, país sem acesso ao mar.

"Este encontro é para relançar uma nova amizade, uma nova estratégia de integração da Bolívia com o Peru", disse Morales em discurso após a assinatura do acordo, num palanque à beira-mar.

Reuters
Os presidentes da Bolívia e do Peru, Evo Morales e Alan García, após a assinatura do acordo

Esse é o primeiro tratado relevante assinado entre Morales e García, políticos ideologicamente antagônicos, sob cujos governos o comércio bilateral se mantém em níveis baixos.

O Peru cedeu à Bolívia uma faixa litorânea a 17 quilômetros de Ilo, entre os departamentos (Estados) de Moquegua e Tacna. O pacto tem vigência de 99 anos, renováveis.

Exportação boliviana

Além disso, o Peru concedeu uma área de 163,5 hectares dentro da Zona Franca Industrial de Ilo, por um prazo de 50 anos renováveis.

Agora, o pacto se ampliou com maiores facilidades portuárias e de livre trânsito na área concedida à Bolívia, onde poderão ser instaladas indústrias e armazéns voltados para a exportação, principalmente de minérios bolivianos.

O novo acordo também renova por 99 anos uma zona franca turística em Ilo, na qual um quebra-mar esportivo e pesqueiro poderá ser construído com capital boliviano. E amplia de 2 quilômetros quadrados para 3,6 quilômetros quadrados a área a ser chamada de "Mar Bolívia".

"Este protocolo complementar nos abre a porta intercontinental, o mar é para o comércio mundial, o mar é para que os produtos dos nossos povos possam circular e ter acesso a esses portos", disse Morales.

Aproximação

No ano passado, Morales qualificou de "genocídio do neoliberalismo" a morte de 34 policiais e indígenas num protesto contra o governo García na Amazônia peruana. Lima reagiu retirando seu embaixador de La Paz durante 45 dias.

Agora, segundo La Paz, a reaproximação entre os presidentes foi facilitada pela recente entrega pelo Peru de dois ex-funcionários públicos bolivianos que haviam fugido para o Peru para escapar de um processo por corrupção.

Peru, Bolívia e Chile se envolveram no século 19 na chamada Guerra do Pacífico, na qual o Chile tomou o acesso boliviano ao litoral e conquistou terras peruanas.

A Bolívia tem pleiteado uma saída soberana ao mar pelo porto chileno de Arica, mas um tratado entre Lima e Santiago estabelece que o Chile deve consultar o Peru se pretender entregar à Bolívia algum território que já tenha sido peruano.

    Leia tudo sobre: MUNDOBOLIVIAPERU

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG