Bolívia exige retorno de 600 cidadãos que fugiram para o Brasil

O governo boliviano exige o retorno de cerca de 600 cidadãos que fugiram do departamento de Pando, norte do país, para o território brasileiro, após um estado de sítio decretado há três semanas que pôs fim à violência que deixou 18 mortos, informou nesta quarta-feira a imprensa local.

Redação com agências internacionais |

O governo suspeita que entre estes, a quem rejeita atribuir o caráter de "refugiados políticos" que a oposição menciona, estejam pessoas envolvidas no massacre de camponeses registrado em Pando, segundo disse o vice-ministro da Justiça, Wilfredo Chávez.

"Há um espaço que o Brasil está dando a eles, mas isso acabará, não se pode tirar proveito disso, pois o Estado exige que as pessoas retornem a seu país", afirmou o vice-ministro ao se referir às pessoas que fugiram da cidade de Cobija, capital de Pando, para as cidades vizinhas de Brasiléia e Epitaciolândia, no estado brasileiro do Acre.

Uma comissão do Parlamento boliviano indicou que cerca de 600 pessoas fugiram para o Brasil após o estado de sítio decretado pelo presidente Evo Morales para conter a violência local, que causou a morte de 15 camponeses, dois civis e um policial.

O deputado da formação de direita "Podemos", Paulo Bravo, disse que as pessoas fugiram por medo de serem detidas por militares bolivianos.

Os incidentes foram registrados em meio aos protestos promovidos durante três semanas por líderes civis de cinco dos nove departamentos da Bolívia contra o governo de La Paz, em rejeição a sua Constituição e para que o governo devolva fundos públicos regionais.

A polarização política obrigou governistas e opositores a estabelecer uma mesa de negociações para pôr fim à crise.

Crise na Bolívia

Os departamentos bolivianos de Tarija, Santa Cruz, Beni, Pando e Chuquisaca (que juntos foram a região conhecida como "Meia Lua") pleiteiam maior autonomia e têm sido palco há meses de protestos contra Morales.

Eles ficam no leste da Bolívia e são os departamentos mais ricos do país, graças principalmente à produção de gás e soja.

O departamento de Tarija, por exemplo, possui mais de 80% das reservas de gás bolivianas.

O oeste da Bolívia, onde vive a maior parte da população indígena, é a região em que o presidente conta com mais apoio.


Mapa político da Bolívia

Leia mais sobre Bolívia

    Leia tudo sobre: bolívia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG