O governo boliviano falou nesta quinta-feira em reforçar a segurança em suas fronteiras com o Brasil e o Paraguai para evitar a entrada ilegal de armas no país, dentro da investigação sobre supostos mercenários a serviço de departamentos separatistas.

O ministro da Defesa, Walker San Miguel, declarou ao jornal El Deber que "pediu às Forças Armadas o reforço de algumas das unidades de fronteira com Brasil e Paraguai".

San Miguel disse que "há alguns meses na passagem fronteiriça com o Paraguai houve um importante roubo de armas por um grupo de desconhecidos que surpreendeu membros de um posto militar".

Segundo ele, em setembro do ano passado, depois de um violento episódio na região amazônica que terminou com a morte de 16 camponeses leais ao presidente Evo Morales, "a segurança das passagens fronteiriças de Pando, que limita com Brasil e Peru, foi reforçada".

"Talvez tenhamos nos descuidado de alguns pontos, como o de San Matías", disse.

O governo investiga a presença de mercenários na Bolívia com a finalidade de fazer complôs contra Morales e buscar a independência da rica região de Santa Cruz, cujos líderes são firmes opositores do presidente.

rb/lm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.