contra qualquer forma de imperialismo - Mundo - iG" /

Bolívia e Irã declaram união contra qualquer forma de imperialismo

Teerã, 2 set (EFE).- Irã e Bolívia reafirmaram hoje seu compromisso na luta contra qualquer forma de imperialismo e reconheceram o direito do Governo de Teerã de desenvolver um programa nuclear com fins pacíficos.

EFE |

As informações constam em um comunicado conjunto assinado pelos presidentes da Bolívia, Evo Morales, e do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, como encerramento da primeira visita de um chefe de Estado boliviano a esse país.

A nota, divulgada pela televisão iraniana, ressalta o desejo mútuo de Irã e Bolívia de ampliar suas relações bilaterais a partir desta visita oficial de Morales.

"As duas partes insistem sobre seus compromissos com a luta contra qualquer forma de imperialismo de modo a conseguir relações internacionais mais democráticas, mais equilibradas e mais justas, baseadas no respeito à autonomia e à liberdade dos povos", diz o comunicado.

O Governo Morales se tornou uma das principais vozes latino-americanas contra a política dos Estados Unidos e outras potências mundiais, uma posição também compartilhada por Ahmadinejad em discursos oficiais.

"Nada, nem nenhum país, pode prejudicar nossas relações com o país revolucionário do Irã", afirmou o presidente Morales em declarações após a assinatura do comunicado conjunto.

Ontem à noite, em entrevista a um canal de televisão iraniano, Morales reiterou que "jamais a América Latina se transformará em um quintal seguro para que os EUA possam continuar com seus saques e espólios e onde consigam estacionar suas idéias nefastas".

Bolívia e Irã retomaram relações diplomáticas no início de setembro do ano passado, duas semanas antes de uma visita oficial do presidente iraniano a La Paz. Os dois Governos ainda têm pendentes a instalação de embaixadas permanentes.

Morales e Ahmadinejad se reuniram ontem no primeiro dia da visita do presidente boliviano e, hoje, repetiram o encontro para a assinatura da declaração conjunta.

No documento assinado, os dois presidentes se mostraram satisfeitos com o processo das negociações mantidas em Teerã e destacaram "as boas relações bilaterais".

Como mostra desses vínculos, o presidente boliviano deu seu apoio ao Irã para que possa chegar a ser membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU em 2009 ou 2010.

Além disso, os dois líderes insistiram sobre a importância da aproximação das relações entre a República Islâmica do Irã e os países da Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba).

A Alba foi criada em 2004 pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, com o apoio do então presidente cubano, Fidel Castro.

Nicarágua, Bolívia e Dominica se somaram posteriormente e, em 25 de agosto, Honduras aderiu ao bloco.

Ahmadinejad e Morales reafirmaram também os "fins pacíficos" das atividades nucleares do Irã e ressaltaram que a intervenção do Conselho de Segurança neste caso carece de justificativa jurídica e técnica.

A ONU mantém sanções contra o Irã pela insistência iraniana em desenvolver um programa de enriquecimento de urânio que algumas potências mundiais suspeitam que possa esconder possíveis intenções de criação de armamento nuclear.

Morales, que chegou ontem a Teerã para uma visita de dois dias e deixou o país hoje, também se reuniu o líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, além de ter ido uma fábrica de automóveis e um centro de pesquisas biotecnológicas próximo à Teerã.

Em declarações publicadas hoje após a assinatura dos acordos, Ahmadinejad disse que, "apesar da grande distância entre os dois países, as metas, as idéias, as vontades e os corações dos dois povos estão muito próximas".

"O povo da Bolívia quer decidir de forma independente sobre o futuro de seu país e estabelecer a justiça e o desenvolvimento em sua terra", acrescentou o presidente iraniano, antes de ressaltar que o Irã estará sempre junto à Bolívia frente aos inimigos.

"Não importa o que dizem os Governos mal educados sobre as relações entre os dois países. O importante para nós é seguir o caminho que favorece os interesses de nossos povos", recalcou Ahmadinejad. EFE msh/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG