Bolívia comprará armamento e aviões de China e Rússia

La Paz, 11 ago (EFE).- O Governo da Bolívia anunciou hoje que comprará armamento e aviões de China, Rússia ou qualquer outro país para proteger suas fronteiras e lutar contra o narcotráfico.

EFE |

A medida foi tomada após o veto dos Estados Unidos à sua tentativa de adquirir aviões tchecos e helicópteros americanos.

O vice-presidente boliviano, Álvaro García Linera, disse em coletiva imprensa que as compras serão feitas com dinheiro próprio e o país não precisará "pedir esmolas".

Linera considera que os EUA não gostaram de ver a Bolívia começando a "ganhar força" com fundos próprios e por isso vetaram a compra dos equipamentos.

"Se não conseguimos acesso à tecnologia militar americana, vamos conseguir tecnologia russa ou chinesa. Garanto que vamos ter aviões modernos para proteger nossas fronteiras e lutar contra o narcotráfico", disse.

Para o vice-presidente, a atitude dos americanos prova que, "no fundo", eles não têm a intenção de lutar contra o narcotráfico, já que as aeronaves teriam a missão de interceptar ou derrubar aviões com droga.

"Os tempos atuais são bons, de dignidade. O Estado tem dinheiro para garantir sua segurança fronteiriça. Teremos aviões de guerra, é uma questão de tempo", disse. EFE.

ja/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG