Bolívia apresentará ao Brasil novo sistema contra o narcotráfico

La Paz, 10 nov (EFE).- O ministro de Governo da Bolívia, Alfredo Rada, viajará ao Brasil na quarta-feira para apresentar o novo modelo antidroga de seu país, após a suspensão das atividades da agência antinarcóticos DEA, dos Estados Unidos, confirmou hoje uma fonte oficial.

EFE |

Um porta-voz do Ministério de Governo disse à Agência Efe que "a visita ao Brasil permitirá explicar a proposta da Bolívia de regionalizar a luta antidroga" na América do Sul, no marco de um novo plano que permita combater o narcotráfico com base na unidade dos países da região.

O Brasil se tornou nos últimos anos um dos principais destinos do narcotráfico da Bolívia, que segundo investigações jornalísticas envia a terras brasileiras até 80% de sua produção de cocaína.

Há dez dias, o presidente Evo Morales suspendeu as ações do Departamento Antidroga dos EUA (DEA) com a acusação de que essa agência espiona políticos, conspira, financia a oposição e, inclusive, matou cocaleiros e protegeu grandes narcotraficantes.

O modelo boliviano, segundo Rada explicou ao jornal "La Prensa", consiste em uma "erradicação (da coca) sem violência, sem massacre de camponeses, nem fumigações que destruam os rios e as selvas".

Segundo ele, além disso, neste plano "está a nacionalização, a regionalização e a cooperação internacional" para garantir o êxito do combate às máfias, conforme publica hoje esse jornal da capital La Paz.

O Ministério de Governo solicitará ao Estado um orçamento de US$ 20 milhões para "nacionalizar" essa luta contra o tráfico, o que representa US$ 4 milhões a mais em comparação com que os EUA destinavam a essa tarefa.

A Bolívia também colocará Brasil, Argentina, Paraguai, Chile e Peru para executar operações fronteiriças conjuntas contra traficantes. EFE ja/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG