Bolívia ainda vive incerteza sobre interpretação de resultados do referendo

O governo Evo Morales e a Corte Nacional Eleitoral (CNE) mantêm neste domingo as discrepâncias sobre as regras que vão vigorar para interpretar os resultados do referendo revogatório.

AFP |

O governo fez aprovar uma Lei no Congresso para que os oito prefeitos (governadores), seis deles da oposição, sejam removidos se não superarem os votos obtidos na eleição de 2005, que flutuavam entre 38 e 48%, enquanto que a CNE subiu internamente o parâmetro a mais de 50% dos sufrágios.

Analistas políticos admitem um caos jurídico envolvendo a consulta, que não existe como figura legal na Constituição boliviana; o Congreso destaca que a CNE não tem autoridade legal para modificar a decisão de parlamentares.

No caso do presidente Evo Morales, tanto o Congresso qaunto o tribunal eleitoral assinalam que ele só será removido do cargo se os votos pelo não ultrapassarem os 53,7% - o percentual que obteve no pleito de 2005.

jac/jlv/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG