Bolívia acusa SIP de vínculo com Governos de direita

La Paz, 17 mar (EFE).- O Governo Evo Morales rejeitou hoje as denúncias de agressões aos jornalistas na Bolívia da Sociedade Internacional de Imprensa (SIP), e acusou os membros do organismo de ter uma forte ligação com muitos Governos de direita.

EFE |

O porta-voz de Morales, Ivan Canelas, afirmou hoje em comunicado que a SIP "confunde a liberdade de expressão, da qual todos os cidadãos bolivianos gozam, com a liberdade de empresa".

A SIP denunciou na segunda-feira em relatório divulgado em Assunção que Morales mantém os ataques e escárnio à imprensa independente de seu país, com o argumento de que os meios de comunicação são seus inimigos e estão "a serviço da oligarquia".

Canelas, que é jornalista, disse que o Governo desprezou a denúncia, porque a SIP critica Morales e outros governantes de esquerda como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os governantes de Uruguai, Tabaré Vázquez, e Venezuela, Hugo Chávez.

"(A SIP) Critica todos os presidentes", sustentou Canelas, ao afirmar que o organismo reúne empresários e donos de meios de comunicação com "forte ligação com muitos Governos de direita".

Segundo o porta-voz, a SIP tem uma visão empresarial diferente da do trabalhador.

Segundo Canelas, alguns empresários da Bolívia filiados a essa organização censuram os comunicadores, os contratam com baixos salários, e não cumprem deveres sociais, como pagar seguro aos que fazem cobertura em áreas de conflito. EFE ja/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG